segunda-feira, 30 de novembro de 2009

O FIM DA TERRA


POESIA: O FIM DA TERRA.
POETA: Ednaldo Luiz dos Santos

Quando a Terra explodir
Mergulharei em suas chamas
Sentirei a alma queimar
Vendo o fogo em grandes ramas
O orgulho agonizar
E riqueza se acabar
Das mãos das grandes damas.

A explosão vai começar
Quando menos se espera
O homem irá sentir
Como a terra vira fera
Vai gritar e vai pedir
O fogo vai consumir
Nada vivo se prospera.

A Terra irá arder
E o Homem irá chorar
A vida desaparece
Pois tudo irá queimar
Na poluição que cresce
Nem homem que faz a prece
Conseguirar se salvar.

Feito dia: 30/ 11/2009.


A TERRA VAI EXPLODIR EM 2012.

O FOGO IRÁ CONSUMIR OS SERES RACIONAIS POIS ESTES ESTÃO FUNCIONANDO COMO UM VÍRUS NA DESTRUIÇÃO DA TERRA. É O QUE NOS ASSEGURA A PROFECIA MAIA.


O Planeta, antes de ser um lugar habitável, era por sinal uma imensa bola de fogo que ardia constantemente sem nenhuma perspectiva de vida natural. Mas depois, com o passar de muitos anos, a Terra passou por um processo de resfriamento enquanto se formava a atmosfera, composta de gases, entre eles o gás oxigênio, fundamental a vida dos seres vivos. A biosfera se formou e a vida prosseguiu. Somente depois que os mares originou a espécie humana é que a terra tem passado por momentos inquietantes. O Homem começou a evoluir para a espécie Homo sapiens e a partir daí ele passou a destruir o planeta em vive. Povos muitos antigos, dotados de racionalismo inconteste, que hoje subjugamos sem fundamento, passaram a tecer crendices e profecias para além de seu mundo real. Os MAIAS são exemplos desses povos. Eles observando o Universo, não se sabe como, revelaram coisas assustadoras para a humanidade desses tempos contemporãneos, eles preveram o FIM DO MUNDO. Segundo o site http://www.doismiledoze.com/ , que expõe a profecia Maia, o mundo irá acabar em 2012. Diz que "Através de estudos sobre o sol, os Maias descobriram que o tempo se comporta de maneira cíclica, e não linear. Segundo eles, não apenas a Terra gira ao redor do sol, mas também todo o sistema solar se move em um movimento periódico. Tal movimento faz com que o sistema solar se aproxime ou se afaste do centro da galáxia, que possui uma grande fonte de luz e energia. Descobriram que esse movimento se trata de uma elipse, e que seu ciclo completo tem duração de 25.625 anos.Chamamos esse ciclo de Dia Galáctico. Quando o percurso chega na metade, estamos perto do centro da galáxia, ou seja, estamos próximos da luz central, dessa forma dizemos que estamos no Dia da Galáxia.
Na continuação do percurso, o sistema solar vai se afastando do centro da galáxia, estando na sombra ou escuridão, o que chamamos de Noite da Galáxia.Dessa forma podemos concluir que a galáxia possui ciclos de estações. O resultado do nosso movimento de rotação ao redor do sol são as estações: primavera, outono, verão e inverno. Já o resultado do movimento de rotação do sistema solar em relação ao centro da galáxia são os seguintes estados: Manhã da Galáxia, Médio dia da Galáxia, Tarde da Galáxia, Entardecer da Galáxia/Noite da galáxia e Profunda noite da Galáxia." E mais : "A cada passagem de estados, de 5125 anos em 5125 anos, o sol recebe uma intensa energia vinda do centro da galáxia (Sol central da galáxia), que faz com que aconteçam as erupções solares.Os Maias dataram o início do atual ciclo galáctico em 10 de agosto de 3113 a. C, e que ao fechamento desse ciclo de duração de 5125 anos, o sol receberá um forte raio sincronizador proveniente do centro da galáxia, trocando sua polaridade e produzindo uma gigantesca labareda radiante. Com o Sol trocando a sua polaridade, a Terra se verá obrigada a inverter também o seu campo magnético, visto a influência gravitacional que o Sol exerce sobre nosso planeta. E essa data de fechamento se dá exatamente no ano de 2012 d.C."

Eles estabeleceram o que se chama de Ciclo Galáctico, que se pode ver abaixo:

"O Ciclo Galáctico de 25.625 anos está dividido em 5 ciclos de 5.125 anos:

O 1º CICLO DA GALÁXIA – é o ciclo da MANHÃ GALÁCTICA, quando o sistema solar acaba de sair da escuridão para entrar na luz. É um período de gestação, de conformação.

O 2º CICLO DA GALÁXIA – é o ciclo do MEDIODIA DA GALÁXIA; onde o Sol central é muito forte, é uma etapa de desenvolvimento que culmina com sua maior expressão.

O 3º CICLO DA GALÁXIA – é o ciclo da TARDE DA GALÁXIA; começa-se a sentir menos a luz.
O 4º CICLO DA GALÁXIA – é o ciclo do ENTARDECER / NOITE DA GALÁXIA; o entardecer se converte em noite, onde se realiza uma tomada de consciência de todo o fato.

O 5º CICLO DA GALÁXIA – é o ciclo da PROFUNDA NOITE DA GALÁXIA, que volta a dar inicio a outros 5 ciclos de 5.125 anos, e assim eternamente….…
….início de uma nova era.

Os Maias asseguravam que sua civilização era a 5º iluminada pelo Sol, o quinto grande ciclo solar (ou seja, estamos no entrando no sexto dia solar), e que antes tinham existido sobre a Terra outras 4 civilizações que foram destruídas por grandes desastres naturais. Acreditavam que cada civilização é só um degrau na ascensão da consciência coletiva da humanidade. Para os Maias, no último cataclismo, a civilização foi destruída por uma grande inundação que deixou uns poucos sobreviventes dos quais eles eram descendentes; pensavam que ao conhecer o final desses ciclos muitos seres humanos se prepararam para isso, tinham conseguido conservar no planeta à espécie pensante, o homem. Dizem-nos que a mudança dos tempos, nos permite ascender um degrau na escala evolutiva da consciência, nos dirigir a uma nova civilização que viverá em maior harmonia e compreensão para todos os seres humanos.
A 1º profecia(de 7 profecias) nos fala do TEMPO DO NÃO TEMPO, um período de 20 anos ou KATUN, dos últimos 20 anos do grande ciclo de 5.125 anos, ou seja, de 1992 até 2012. Profetizaram que durante estes anos, manchas de vento solar cada vez mais intensas apareceriam no Sol, que desde 1992 a humanidade entraria em um período de grandes aprendizagens, de grandes mudanças, que nossa própria conduta de depredação do planeta contribuiria para que estas mudanças acontecessem.
A 1ª profecia diz que estas mudanças vão acontecer para que compreendamos como funciona o universo e para que avancemos a níveis superiores de consciência, deixando atrás o materialismo e nos liberando do sofrimento.O Livro Sagrado Maia do CHILAM BALAM, diz: “Ao final do último Katun (1992-2012) haverá um tempo em que estarão imersos na escuridão, mas logo virão os homens do Sol trazendo o sinal futuro”. Despertará a Terra pelo norte e o poente, o ITZA despertará.
A 1ª profecia diz que 7 anos depois do último KATUN, ou seja, em 1999, começaria uma época de escuridão que faria com que todos enfrentassem a escuridão de suas condutas. As palavras de seus sacerdotes seriam escutadas por todos nós como um guia para despertar.
Eles falam desta época como aquela em que a humanidade entrará no Grande Salão dos Espelhos, uma época de mudanças para que o homem possa enfrentar a si mesmo, para que se olhe e analise seu comportamento com ele mesmo, com outros, com a Natureza e com o Planeta. Uma época onde toda a humanidade, por decisão consciente de cada um de nós, decide trocar o medo e a falta de respeito de todas nossas relações. A partir de 13 de agosto de 1999 começou a correr os últimos 13 anos, a última oportunidade para nossa civilização, para realizar as mudanças que nos conduzam ao momento da regeneração espiritual e a uma Nova Era Dourada planetária.Predisseram que desde essas datas as forças da Natureza serão o catalisador de uma série de mudanças de tal magnitude que o homem se verá impotente para contê-las. A segurança que temos em todos os sistemas e na tecnologia que criamos a nosso redor começará a fraquejar, já não poderemos aprender mais desta civilização, da forma que estamos organizados socialmente. Disseram que nosso desenvolvimento interno necessita um lugar melhor.
Muitas das vezes nos perguntamos até onde pode ir a crença humana, o crer, o duvidar, o saber e o revelar. Independente de sua escolha, existe algo que nos une, que faz de nos semelhantes e próximos. Esse algo é a nossa existência, que poderá ser colocada a prova nesse dia profético, que fará de nós seres com os mesmo medos, com os mesmos receios."( tudo isso está exposto no referido site).
Partindo dessa profecia, profecio a minha também: o Homem irá sucumbir pois a Terra já o percebe como uma praga avarenta que está destruindo tudo que a natureza lhes deu. Eles inventaram um arsenal de ferramentas que embora lhes ajudem a se defender e a sobreviver, elas são responsáveis pela destruição da natureza. Mas só depois que a espécie medíocre inventou o tal de capitalismo e preferiu habitar nos setores urbanos criando uma cultura de consumismo e de reprodução da espécie fora do controle é que a destruição foi acentuada e hoje o Homem se desespera para salvar o que não tem mais conserto. O bicho racional para viver hoje ele tem que poluir e deswtruir os espaços ambientais. A poluição está incontrolada e a Terra mergulharar em catástrofes incessantes. Isso pode paracer um pessimismo ou uma informação seensacionalista, mas prevejo que aquele que não ouvir o que já é fatopadecerá no anonimato. Então, que venha a explosão! A Terra está sendo aquecida ano após ano, do ano 2000 para cá ela está definhando assustadoramente. E não haverá religião que nos assegure a salvação.

POETA ANTÔNIO RAMOS ROSA

POETA: Antônio Ramos Rosa
POEMA: Poema dum Funcionário Cansado

A noite trocou-me os sonhos e as mãos
Dispersou-me os amigos
Tenho o coração confundido e a rua é estreita
Estreita em cada passo
As casas engolem-nos
Sumimo-nos
Estou num quarto só num quarto só
Com os sonhos trocados
Com toda a vida às avessas a arder num quarto só
Sou um funcionário apagado
Um funcionário triste
A minha alma não acompanha a minha mão
Débito e Crédito Débito e Crédito
A minha alma não dança com os números
Tento escondê-la envergonhado
O chefe apanhou-me com o olho lírico na gaiola do quintal em frente
E debitou-me na minha conta de empregado
Sou um funcionário cansado dum dia exemplar
Por que não me sinto orgulhoso de ter cumprido o meu dever?
Por que me sinto irremediavelmente perdido no meu cansaço
Soletro velhas palavras generosas
Flor rapariga amigo menino
Irmão beijo namorada
Mãe estrela música
São as palavras cruzadas do meu sonho
Palavras soterradas na prisão da minha vida
Isto todas as noites do mundo numa só noite comprida
Num quarto só.

LA POESIA ESPAÑOLA.

POESIA: el pastorcico
POETA: San Juan de la Cruz

Un pastorcico solo está penado
Ajeno de placer y de contento
Y en su pastora puesto el pensamiento
Y el pecho de amor muy lastimado.

No llora por haberle amor llagado,
Que no le pena verse así afligido,
Aunque en el corazón está herido;
Mas llora por pensar que está olvidado.

Que sólo de pensar que está olvidado
De su bella pastora, con gran pena
Se deja maltratar en tierra ajena,
El pecho del amor muy lastimado.

Y dice el pastorcico: ¡Ay, desdichado
De aquel que de mi amor ha hecho ausencia
Y no quiere gozar la mi presencia
Y el pecho por su amor muy lastimado!

Y a cabo de un gran rato se ha encumbrado
Sobre un árbol, do abrió sus brazos bellos,
Y muerto se ha quedado, asido de ellos,
El pecho del amor muy lastimado.

Fonte: www.sifuesepoeta.com

domingo, 29 de novembro de 2009

VOCÊ AGORA PODE ACHAR TEXTOS RAPIDINHO.

NOVA MODALIDADE DESSE BLOG, PARA ACESSA ALGO DE SEU INTERESSE, DIGITE NO QUADRO PESQUISAR QUALQUER TEMA OU PALAVRA PRINCIPAL DO QUE VC PROCURA NESSE BLOG. CURTA A VONTADE. qUER UM EXEMPLO: DIGITE A FRASE: " POETA PRETENDE LANÇAR LIVRO EM CAICÓ" E APARECERÁ LOGO ADIANTE O TEXTO INFORMATIVO.DIVIRTA-SE.

domingo, 22 de novembro de 2009

APAGÃO NO SERIDÓ, UM RETORNO A TRADIÇÃO.


APAGÃO, O PANDEMÔNIO DA MODERNIZAÇÃO.

No exato dia 20/11/2009, foi um dia caótico verificado e vivenciado em Caicó. A escuridão profunda abateu sobre os lares acostumados com o climáx da modernização e aflingiu os olhares medrosos e deseperadores de um magote de caicoenses arredios. O blecaute não foi costumeiro, porém foi surpreendente. A cidade ficou por quase 15 horas às escuras, sem quase nenhum lampejo energético de eletricidade. A causa especulativa se debandou para o fato de uma queda de um transmissor numa cidade do Rio Grande do Norte e por isso o apagão aconteceu. Nessas horas as causas são injustificáveis partindo do prejuízo adquirido por esse incidente. No que tange a economia, essa foi a mais afetada. Quantos sorvetes não derreteram? Quantos alimentos não apodreceram? Quantas frutas não ficaram sem conservas? Quantas águas não descongelaram? Tudo foi ao nocaute com esse blecaute! Os hospitais, os presídios, as escolas, os bancos, os aparelhos tecnológicos, tudo ficou no obscuro. O bom é que Caicó vivenciara o mesmo estado calamitoso que viveu muitos brasileiros de sete estados do Brasil neste ano de 2009. O fato é que a eletricidade é a base fundamental da modernidade e sem ela pouca coisa é moderna, tudo volta ao seu estado de simplicidade e rudeza dos tempos de outrora, antes da Revolução Industrial da Inglaterra. Aqui no Seridó a coisa volta, apesar de pouco tempo, ao momento de como era antes. A falta de luz elétrica fez os seridoenses buscarem recursos simplórios como a tradicional lamparina à gás, a vela e/ou a lanterna. Os celulares eram gêneros de primeira instância aos usuários, mas isso era por pouco tempo... até enquanto a batéria não descarregasse. O que mais eu acho de dignificante na falta da luz é que as pessoas podem contemplar o céu estrelado com mais nitidez, coisa que não ocorre nos momentos de claridão. As conversa na calçada que antes eram interrompidas pelas novelas, no apagão elas voltam à tona, sendo que as ruelas ficam vazias e as calçadas entopidas de gente ao papear da vida alheia. O escuro esconde o futuro e limita nossa curiosidade mais afinca. O escuro revela nossos medos e aflições, esconde nossas vergonhas e nos torna sem vergonhas, é um enígma, um perigo constante com gosto de emoção. Mas pode se tornar um pandemônio pela falta de regalias que a eletricidade proporciona e pelo acoito da criminalidade mais horripilante que se pode ocorrer, todavia seria uma criminalidade acanhada em seus efeitos. Contudo ainda resta uma luz no fim do túnel......

sábado, 21 de novembro de 2009

A CULTURA DO ARRAIÁ DO GONZAGÃO.

ARRAIÁ DO GONZAGÃO JÁ VIROU TRADIÇÃO.
O Alto da Boa vista conclama e já dá vivas ao folclorista ARRAIÁ DO GONZAGÃO. Encabeçado por Maria do Carmo de Medeiros, prefessora e diretora da Escola Municipal Professor Raimundo Guerra, e tendo a colaboração fundamnetal de Luciano, ditador e organizador ensaista de quadrilhas. O Arraiá do Gonzagão, como ficou sendo chamado por exaltar a imagem e as músicas cantadas por nosso Rei do Baião Luíz Gonzaga, começou com os jovens da comunidade do Alto da Boa Vista, mas depois passou a incorporar somente alunos da Escola acima citada. Hoje, esse pioneiro grupo folclórico de Caicó é sempre solicitado para se apresentar nosd principais eventos da cidade, alcançando prestígio e admiração por parte da platéia eufórica de cultura. ESTÁ DE PARABÉNS ESSE GRUPO JUVENIL DO ALTO DA BOA VISTA! Ultimamnente, sob um clima de muita alegria e entoados ao som palmas os alunos da Escola Municipal Professor Raimundo Guerra, abriram a programação da I Feira do Livro do Seridó ,como expôs o site da Prefeitura de Caicó. O Grupo é composto por trinta e dois integrantes do 4º ao 9º ano, o grupo vem desenvolvendo um trabalho cultural através da abordagem de temas variados e significativos. O atual tema é: Duas décadas de Saudade e Lembranças de Luíz Gonzaga. A iniciativa dos alunos mostra que a cultura sertaneja, sobretudo a sua música resistem cada vez mais viva aos modismos musicais criados pela mídia. A sanfona, o chapéu e o gibão de Luíz Gonzaga, assim como seu canto às vezes triste, mas permeado de esperança vão passando de geração a geração, conquistando mais adeptos, num reinado que se perpetua através dos tempos, desnudando a alma nordestina e a bravura desse povo que não resiste ao toque da sanfona e ao chiado do chinelo, nos informa o site http://www.prefeituradecaico.com/ .

PROCURE-ME


POESIA: PROCURE-ME.
POETA: EDNALDO LUIZ DOS SANTOS.

Deixe eu balbuciar as tuas melenas
Que são aloiradas com puro mel
Deixe eu te dá um frenesi
Nas muralhas de um motel
Ou deixe eu te possuir
Nas impurezas de um bordel.

Sem pestanejar, convida-me,
Que eu sedento irei te encontrar
Sem engatinhar, abra-se,
Que não hesitarei ao entrar
Sem espernear, deseja-me,
Que eu estarei no seu spar.

Se não fores verbética
Não conjugues o verbo Amor
Pois para se conjugar
Tens que primeiro sentir dor
Procure-a numa colina
Ou no momento do despudor.

Eu estarei aí, ou acolá,
Procure-me por toda estação
Procure-me em sua casa
Se me veres na solidão
Eu estarei arranchado
Nas dobras do seu CORAÇÃO.

Feito dia: 21/ 11/ 2009.

POETA DIONISIO BLASCO, LA SPAÑA DA VIVAS!


MUITAS GRACIAS! UN POETA BRILHANTE!

O poeta da Espanha, Dioni Blasco, residente em Zaragoza, Cidade de Aragão, é um genuíno poeta do qual eu tenho maior apreço por vossa companhia e vossa sabedoria. Um poeta espanhol da maior estirpe. Já publicou vários trabalhos no gênero poético. Quem quiser o conhecer mais de perto acesse seu blog: http://dionisioblasco.blogspot.com/ . Acima, uma capa de seu livro.



POETISA CECÍLIA MEIRELES

POEMA: Tu tens um medo
POETISA: Cecília Meireles

Tu tens um medo:
Acabar.
Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.Na dúvida.No desejo.
Que te renovas todo o dia.
No amor.
Na tristeza.Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.
E então serás eterno.

Fonte:
http://www.astormentas.com/

CONCURSO PÚBLICO DE CAICÓ DEMORA A ACONTECER.


QUAL O PORQUÊ DE TANTA DEMORA?


Não sei o que é que está acontecendo com a atual administração de Caicó, pois a grande demora que se tem ocorrido em relação a realização do Concurso Público desta cidade já é notória. O descaso é generalizado e a demora chega a irritar os caicoenses ávidos por um lugar no patamar da empregabilidade. Já fazem mais de 4 meses que se ouve em caicó que se processará esse concurso, mas pelo visto a sua concretude anda a passos de tartaruga. Qual será o porquê desse empalha tempo? Friso que essa demora seja um fruto de jogadas políticas, pois o próximo ano, 2010, será ano de eleições para as bancadas federais e estaduais. E o povo padece na espera de um futuro incerto. Aliás, Caicó é realmente uma cidade atrasada em termos de ofertas de empregos dignos para os seus conterrâneos. A VERGONHA É NÍTIDA! Outrossim, a falta de indústrias também é verificada de maneira esporádica. Os caicoensens se contentam nesse viés de estágio deplorável e aceitam sem questionarem subempregos por meio de contratos (eis aqui um dos trabalhos mais insignificantes que se tem praticado neste século XXI, porque o empregado fica ausente de seus direitos trabalhistas). Outros se sujeitam a trabalharem por parcos pagamentos minguados. É deprimente expôr isso, mas é a mais pura realidade.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

E VÁ TOMAR NA “SACULATEIRA”


POESIA: E VÁ TOMAR NA “SACULATEIRA”
AUTOR: EDNALDO LUIZ DOS SANTOS

Ivonaldo, um negrão,
Todo cheio de nhenhenhem
Que não respeita ninguém
Fala do jeito que for
Discutir é um carma
Chega agridi a alma
Quando se faz professor.

Anda de pernas abertas
Com a cabeça pr’um lado
Um olho arregalado
O outro baixo na cara
Enxerga tudo na frente
Com seu olhar atraente
Uma doença se sara.

Anda falando grosso
Com sua gíria a ditar
Adiciona ao linguajar
Palavra feita asneira
Para que alguém divulgue
E ninguém, assim, o julgue
De falar “Saculateira”.

Mesmo sem conhecer
O seu significado
Recita o palavreado
Já se achando o artista
Falando pra todo mundo
Pobre, rico e vagabundo
Do Alto da Boa Vista.

O seu netinho no braço
Feito uma bola de neve
Não é pesado, é leve
O bebê da “Saculateira”
O avô anda na procura
Um pai para a criatura
Um filho de mãe solteira.

Que anda de bar em bar
Com seu pai lhe dando nó
E no bar do Mororó
Gasta um pouco de grana
Marli que fala ligeiro
Enche só por dinheiro
Um pequeno copo de cana.

Alimenta a “Saculateira”
Com cana bem congelada
Para que o camarada
Morra logo de cirrose
Pois no céu é complicado
O cachaceiro é castigado
Por grande falta de dose.

E não sabendo a razão
O porquê da “Saculateira”
O que parece besteira
Pra me tem fundamento
É algo que guarda um saco
Carregado por um taco
Em meio a um sofrimento.

Pois o homem do Sertão
Quando a seca lhe devora
Pega a trouxa e vai embora
Por falta de terra molhada
Na coragem derradeira
Toma a “saculateira”
E frexa em disparada.

Ainda hoje persiste
Na boca de Ivonaldo
Um homem todo talhado
Que gosta de saideira
Andando com sua criança
Manda toda vizinhança
Ir tomar na “Saculateira”.
Por: Ednaldo Luiz dos Santos
Feito dia: 12/ 01/ 2005.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

POETA ALEXANDRE O'NEIL


Sei os teus seios.
Sei-os de cor.

Para a frente, para cima,
Despontam, alegres, os teus seios.

Vitoriosos já,
Mas não ainda triunfais.

Quem comparou os seios que são teus
Banal imagem a colinas!

Com donaire avançam os teus seios,
Ó minha embarcação!

Porque não há
Padarias que em vez de pão nos dêem seios
Logo pla manhã?

Quantas vezes
Interrogaste, ao espelho, os seios?

Tão tolos os teus seios! Toda a noite
Com inveja um do outro, toda a santa
Noite!

Quantos seios ficaram por amar?

Seios pasmados, seios lorpas, seios
Como barrigas de glutões!

Seios decrépitos e no entanto belos
Como o que já viveu e fez viver!

Seios inacessíveis e tão altos
Como um orgulho que há-de rebentar
Em deseperadas, quarentonas lágrimas...

Seios fortes como os da Liberdade
-Delacroix-guiando o Povo.

Seios que vão à escola pra de lá saírem
Direitinhos pra casa...

Seios que deram o bom leite da vida
A vorazes filhos alheios!

Diz-se rijo dum seio que, vencido,
Acaba por vencer...

O amor excessivo dum poeta:
"E hei-de mandar fazer um almanaque
da pele encadernado do teu seio"

Retirar-me para uns seios que me esperam
Há tantos anos, fielmente, na província!

Arrulho de pequenos seios
No peitoril de uma janela
Aberta sobre a vida.

Botas, botirrafas
Pisando tudo, até os seios
Em que o amor se exalta e robustece!

Seios adivinhados, entrevistos,
Jamais possuídos, sempre desejados!

"Oculta, pois, oculta esses objectos
Altares onde fazem sacrifícios
Quantos os vêem com olhos indiscretos"

Raimundo Lúlio, a mulher casada
Que cortejaste, que perseguiste
Até entrares, a cavalo, pla igreja
Onde fora rezar,
Mudou-te a vida quando te mostrou
"É isto que amas?"
De repente a podridão do seio.

Raparigas dos limões a oferecerem
Fruta mais atrevida: inesperados seios...

Uma roda de velhos seios despeitados,
Rabujando,
A pretexto de chá...

Engolfo-me num seio até perder
Memória de quem sou...

Quantos seios devorou a guerra, quantos,
Depressa ou devagar, roubou à vida,
À alegria, ao amor e às gulosas
Bocas dos miúdos!

Pouso a cabeça no teu seio
E nenhum desejo me estremece a carne.

Vejo os teus seios, absortos
Sobre um pequeno ser
.

Fonte: www.astormentas.com.br

sábado, 14 de novembro de 2009

O SERIDÓ NO CINEMA.

FLORÃNIA/RN SE LANÇA NO RAMO DA ARTE CINEMATOGRÁFICA.


A Cidade de Florãnia, encravada no sertão seridoens, alcançou agora, nos últimos tempos, o primeiro lugar no ramo da arte cinematográfica. Uma produção composta de atores e atrizes amadoras se revelaram com grande talento para as cenas que se prestaram. A Cidade já tivera sua cultura histórica em exibições de filmes, pois em Florânia, já havia um antigo Cinema do “Padre Stanislau Piecchel”, que todo final de semana abria as portas para a população e lotava o “cinema do Padre”… Esse antigo cinema de administração católica era uma austuciosa referência nas exibições das vistas do cinematógrafo. Florânia agora não só assiste, como também produz seus próprios filmes por intermédio do Cineasta Amador J. Júnior. A Cidade foi inconteste no lançamento público, através do Projeto Cinema na Escola, do filme " FELICIANA E OS CABAÇOS DO SERTÃO", composto por gente da terra. Trata-se de uma comédia romântica de ficção que se passa no semi-árido nordestino. Essa história é recheada de paixão, inocência e um desajeitado amor. Feliciana (Nininha Silva) vive um triângulo amoroso com Joaquim Sopro de Jumenta (Alessandro Guilherme) e João Perna de Cambito (J. Júnior), que desde criança disputam o amor de Feliciana. Brigas, feitiçaria, ciganismo e uma grande surpresa são reservadas para o final dessa cômica história de amor e magia.


Foto 1- Giovana ( atriz); Foto 2- J. Júnior ( diretor e ator); Foto 3- Célio (ator); Alessandro (ator).




EU JÁ TIVE O PRAZER DE ASSISTIR E POSSO LHE ASSEGURAR QUE É REALMENTE UMA COMÉDIA MUITO INTERESSANTE E REVELADORA DAS PROEZAS DO SERTÃO.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

O TEATRO NA IGREJA.

A CULTURA CATÓLICA DO ALTO DA BOA VISTA JÁ CONSAGROU A SUA ILUMINADA COORDENADORA DA DRAMATURGIA TEATRAL INFANTIL.
O Alto da Boa Vista está eternamente agradecido a contribuição indelével que a grande jovem Fabiane Medeiros Cabral tem prestado ao simplório bairro da periferia caicoense. Os incentivos que ela tem dado principalmente a área da cultura religiosa é significante. A Capela de Santa Luzia, que ao meu ver deveria ser transformada em Igreja, tem revelado muitos meninos e meninas nos dogmas do catolicismo seridoense e, principalmente, nos ramos da arte da dramaturgia teatral. Fabiane tem organizado alguns eventos que merecem consideração como a "Encenação da Paixão de Cristo" e "A Coroação de Maria". As falas são escritas e encabeçadas por ela. Para se ter uma idéia, numa Semana Santa de um ano que eu não me lembro mais ela instigou as crianças a encenarem o martírio de Jesus Cristo pelas ruas principais do bairro e foi um belo, apesar de simples, espetáculo já não imaginado pelos altoboavistenses. Fabiane, ao lado de Edinete Luíz dos Santos (minha irmã), ainda contribui com a organização da Festa de Santa Luzia que geralmente costuma ser realizada no começo do mês de dezembro.

CAICÓ LONGE DA SUPESTIÇÃO.



SEXTA FEIRA 13, O FORRÓ COME NO CENTRO!
TIRANTE DO TRIVIAL DE SUPOR QUE A SEXTA FEIRA TREZE É UM DIA DE TERROR DOS MAIS CALAMITOSOS QUE A HISTÓRIA PRODUZ, CAICÓ SERÁ SURPREENDIDA POR UMA DAS FESTAS QUE JÁ VIROU TRADIÇÃO NAS SEXTAS CAICOENSES: "O FORRÓ DA PAQUERA" QUE LANÇARÁ DE UMA BOCADA SÓ DUAS BANDAS POPULARES, FORRÓ MORAL E FORROZÃO PODE BALANÇAR. A NOITE PROMETE E MUITO. OS JOVENS DE TODAS AS ESTIRPES IRÃO COMPARECER NA BUSCA POR UMA COMPANHIA DE NOITADA. VENHA PAQUERAR VOCÊ TAMBÉM!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

MAIS GENTE CONTINUA MORRENDO NO ALTO DA BOA VISTA.

Nesta semana que antecede a horripilante Sexta Feira 13 /11/2009, no Alto da Boa Vista, a Dona Morte já fez uma outra vítima...desfaleceu uma senhora vividora, com seus cabelos brancos e seus gestos bizarros, era uma senhora animada, estrovertida, que tinha muita vontade de viver dignamente. Seu nome era Maria das Virgens, popularmente conhecida como Maria Mucica. Era uma pessoa caridosa até certo ponto, religiosa dedicada e companheira do primitivo Seu Severino Cariri, um dos primeiros moradores do Alto. A Dona Morte foi mais uma vez traiçoeira e a enfermizou com uma chaga no pé, que a fez amputar 2 dedos do pé esquerdo. Subitamente, seu membro inferior começou a inchar de tal forma que agravou outros problemas de saúde, como os de seus poluídos pulmões. Inexplicavelmente, a Dona Morte sucumbiu Dona Maria e ela esgarniçou até os últimos momentos de vida. Foi-se embora e o Alto mais uma vez caiu no luto social. Só para se ter uma idéia, somente neste ano, desfaleceram mais de 5 populares, claro que na maioria idosos que passaram pelas mãos da saúde pública de Caicó e foram desenganados da cura ou de um diagnóstico eficaz para a sua enfermidade. E aí? De quem é a culpa? Da Dona Morte? De previsões de Médiuns? Ou das autoridades de Caicó que não investe numa saúde pública de qualidade. Os caicoensens estão morrendo à míngua. E quem poderá nos defender? É O CHAPOLIM COLORADO OU O MESSIAS?

sábado, 7 de novembro de 2009

POR FRIEDRICH NIETZSCHE.

POETA: FRIEDRICH NIETZSCHE
POESIA:VOCAÇÃO DE POETA

Ainda outro dia, na sonolência
De escuras árvores, eu, sozinho,
Ouvi batendo, como em cadência,
Um tique, um taque, bem de mansinho...

Fiquei zangado, fechei a cara
- Mas afinal me deixei levar
E igual a um poeta, que nem repara,
Em tique-taque me ouvi falar

E vendo o verso cair, cadente,
Sílabas, upa, saltando fora,
Tive que rir, rir, de repente,
E ri por um bom quarto de hora.

Tu, um poeta? Tu, um poeta?
Tua cabeça está assim tão mal?
- Sim, meu senhor, sois um poeta,
E dá de ombros o pica-pau.

Por quem espero aqui nesta moita?
A quem espreito como um ladrão?
Um dito? Imagem? Mas, psiu!
Afoita Salta à garupa rima, e refrão.

Algo rasteja? Ou pula? Já o espeta
Em verso o poeta, justo e por igual.
- Sim, meu senhor, sois um poeta,
E dá de ombros o pica-pau.

Rimas, penso eu, serão como dardos?
Que rebuliços, saltos e sustos
Se o dardo agudo vai acertar dos
Pobres lagartos os pontos justos.

Ai, que ele morre à ponta da seta
Ou cambaleia, o ébrio animal!
- Sim, meu senhor, sois um poeta,
E dá de ombros o pica-pau.

Vesgo versinho, tão apressado,
Bêbada corre cada palavrinha!
Até que tudo, tiquetaqueado,
Cai na corrente, linha após linha.

Existe laia tão cruel e abjeta
Que isto ainda - alegra? O poeta - é mau?
- Sim, meu senhor, sois um poeta,
E dá de ombros o pica-pau.

Tu zombas, ave? Queres brincar?
Se está tão mal minha cabeça
Meu coração pior há de estar?
Ai de ti, que minha raiva cresça!

Mas trança rimas, sempre - o poeta,
Na raiva mesmo sempre certo e mau.
- Sim, meu senhor sois um poeta,
E dá de ombros o pica-pau.

(Tradução de Rubens Torres Filho)

NORDESTINO TAMBÉM TEM LÍNGUA!

NORDESTINO NÃO GOSTA DE SEGUIR DESTINO, ELE DÁ UM NÓ-NOR-DESTINO ( Ednaldo Luiz)

Existem vários Brasis dentro do Brail devido a grande riqueza e diversidade cultural. O jeito que se fala no nordeste é completamente diferente de como se fala no sul, por exemplo. E não estou me referindo apenas ao sotaque, mas principalmente no modo peculiar de falar e de inventar palavras do povo brasileiro. Veja como fala o nordestino em determinadas situações:

AUTOR DESCONHECIDO.
Nordestino não fica solteiro, ele fica solto na bagaceira!
Nordestino quando se empolga, fica com a mulesta dos cachorros!
Nordestino não bate, ele 'senta-le' a mãozada!
Nordestino não sai pra farra... ele sai pro muído, pra bagaça!
Nordestino não bebe um drink, ele toma uma!
Nordestino não é sortudo, ele é cagado!
Nordestino não corre, ele dá uma carreira!
Nordestino não malha dos outros, ele manga!
Nordestino não conversa, ele resenha!
Nordestino não toma água com açúcar, ele toma garapa!
Nordestino não percebe, ele dá fé!
Nordestino não sai apressado, ele sai desembestado!
Nordestino não aperta, ele arroxa!
Nordestino não dá volta, ele arrudeia!
Nordestino não espera um minuto, ele espera um pedacinho!
Nordestino não é distraído, ele é avoado, apombaiado!
Nordestino quando está irritado com alguém que fica diz: Homi largue de frangagem!
Nordestino não fica com vergonha, ele fica encabulado, todo errado!
Nordestino não passa a roupa, ele engoma a roupa!
Nordestino não houve barulho, ele ouve zuada!
Nordestino não acompanha casal de namorados, ele segura vela!
Nordestino não rega as plantas, ele 'agoa' as plantas.
Nordestino não quebra algo, ele tora!
Nordestino não é esperto, ele é desenrolado!
Nordestino não é rico, ele é um cabra estribado!
Nordestino não é homem, ele é macho!
Nordestino não pede almoço, ele pede o cumê
Nordestino não come carne, ele come 'mistura'
Nordestino não lancha, merenda!
Nordestino não fica cheio quando come, ele enche o bucho!
Nordestino não dá bronca, dá carão!
Nordestino não tem diarréia, tem caganeira!
Nordestino não tem mau cheiro nas axilas, ele tem suvaqueira!
Nordestino não tem perna fina, ele tem dois cambitos!
Nordestino não é mulherengo, ele é raparigueiro!
Nordestino não se dá mal, ele se lasca todinho!
Nordestino não é cheio de frescura, é pantinzeiro!
Nordestino não pula, dá pinote!
Nordestino não fica bravo, fica com a gota serena!
Nordestino não é malandro, é cabra de pêia!
Nordestino não fica apaixonado, ele arrêia os pneus todinho!

LA POESIA ESPAÑOLA.

POEMA: MITLA
POETA: Homero Aridjis

Señoras del presente y del olvido
Las hormigas recorrenlos
Espacios del silencio
Arrastrando grumos de vida
Hacia el mundo de las sombras
Como vampiros con las alas abierta
Sen el horizonte borrosolos escuálidos
Señores de la muerte
Sin proyectar sombra sobre el suelo
Arenososin ser tocados por el viento o la hora
Entre peñascos rotos que un día acabarán
Sobre el sabino antiguo que un día caerásin
La memoria mínima de los dioses extintos
Ni del Bigaña estricto que se volvió
Humedadmiro el sol que se muere
Bajan las sombras lentaspor los caminos
Ralos de Monte Albány dirigiéndose al otro mundo
Atraviesan cuerpos y muroscon su temblor y frío
En el patio ruinosos al borde de una tumbaun
Sacerdote enjuto con camisas de grecasarroja
Su espectro sobre el polvoy traza con dedo
Descarnadola forma de las constelaciones deshechas.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

MESMO COM O PRÉSAL, BOTIJÃO DE GÁS CONTINUA A EMPOBRECER O BLOSO DOS CONSUMIDORES.

AONDE A HIPOCRISIA DE NOSSAS AUTORIDADES BRASILEIRAS VAI PARAR?


Eu fico indignado com tanta feijoada de impostos que se tem que pagar a essas deprimentes autoridades que tomam as veias do Brasil para governar. Elas elaboram e autorizam as coisas conforme as suas vontades e posses. Mesmo com a descoberta da grande riqueza petrolífera do PRÉSAL, lá pr'as bandas do sudeste, o preço do botijão de gás de cozinha tende a custar mais caro cada vez mais. Aonde isso tudo vai parar? Não se preocupam, as autoridades, em elaborarem um plano de diminuição desses valores absurdos que veem para os nossos bolsos. Muitas famílias que não possuem o bendito vale-gás ofertado pelo governo Lula, principalmente as famílias pobres, tendem a retirar do próprio bolso essa quantia avultada de submissão. Para se ter uma idéia, só em Abril de 2009, o botijão que custava R$ 33 reais, teve um aumento de 10 %, autorizado pelo então governo Lula, do qual fez o preço subir para R$ 38 reais. E já se tem perspectiva de que o recipiente cheio possa custar daqui para o final do ano cerca de R$ 42 reais. Isso é cômico do ridículo. Como pode o tal governo não se preocupar com a classe da pobreza que ainda é grande nesse país? Como pode um cidadão que ganha seus minguados R$ 60 reais por semana comprar um botijão de mais de 30 reais? O que sobrará para ele fazer sua feira e poder se alimentar dignamente como manda os nutricionistas? É UMA VERGONHA QUE ESSE TIPO DE SITUAÇÃO ACONTEÇA NESSE PAÍS. A riqueza do PRÉSAL só beneficiará somente a classe da riqueza, enquanto a classe da pobreza ficará renegada ao padecer pela sobrevivência nessa droga de Estado desigual e de distribuição de renda miserável para a classe popular.