sábado, 26 de maio de 2012

EMBRULHOS.

POESIA: EMBRULHOS.
POETA: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.

Ela pegou
Segurou
Massageou
E esfolou.

Eu peguei
Apalpei
Massagiei
E esfolei.

Ela sentiu
Sorriu
Buliu
E fingiu.

Eu senti
Sorri
Buli
E fingi.

E nós trocamos
Amamos, gostamos,
Com gestos tão inocentes
E apalpando os bagulhos
Tiramos todos embrulhos
Que cobriam nossos presentes.

Feito dia: 26/ 05/ 2012.

ROCK NO SERIDÓ EM JARDIM DE PIRANHAS

A cidade de Jardim de Piranhas será palco da mais ilariante festa de rock em roll do Seridó. A seca será o carma para o impulso da variação pitoresca de cultura desse estilo que mergulha nos íntimos alheios e os transforma num momento sublime de exaltação das intempéries corporais.
Serão 5 bandas que agitarão os amantes do rock e ocorrerá no dia 09 de Junho de 2012, onde terá entrada frnca para os roqueiros. O meu amigo Markim Ramone avisa que sairá um ônibus de frente da Prefeitura de Caicó, as 19 horas da noite. E este ônibus só retornará de Jardim de Piranhas quando acabar o evento. O preço desse ônibus é de R$ 10,00 (ída e volta).
PARTICIPEM, SERÁ O BICHO EM COCHICHO! 

EM PLENO SERIDÓ ISSO SÓ PODERIA ESTÁ ACONTECENDO NO PAÍS DE SERRA NEGRA DO NORTE.

PROFESSORES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTÃO TRABALHANDO ATÉ NOS SÁBADOS.

A MANIPULAÇÃO inconteste que se verifica na Cidade de Serra Negra do Norte, em pleno sertão seridoense e me relação a classe do professorado municipal da dita cidade, está distanciando, ao meu ver e ao ver de muitos professores, o gosto pelo ensino/aprendizagem destinado ao discente por promover um cansaço mental e corporal que leva a uma indisposição enfadonha no que tange ao trabalho em sala de aula. Pelo que consta, a cidade decretou em sua grade curricular alguns sábados letivos para "forçar" o professor a trabalhar pelo seu tempo discriminante. São sábados que na realidade contrariam as leis trabalhistas de sindicatos e escravizam o professor limitando seu tempo de descanso e de planejamento semanal. 
É UMA VERGONHA ISSO QUE ESTÁ ACONTECENDO COM A CLASSE DOS PROFESSORES. O PROFESSOR ALÉM DE GANHAR POUCO AINDA TEM QUE SE SUBMETER A UNS MANDOS E DESMANDOS DESSES!
O que implaca também nessas tomadas de decisão é que uma PARADA que aconteceu ainda neste ano de cunho NACIONAL fez todos os professores da rede pública pararem suas atividades para reivindicarem questões pendentes incluindo o pagamento do PISO SALARIAL e outras coisitas mais. A Prefeitura de Serra Negra do Norte paga o piso salarial aos professores da rede pública, mas nem por isso deve-se fezer exploração de trabalhos docentes. 
Muitos professores estão reclamando dessas tomadas de decisão e isso, pelo que percebo, está ocasionando um clima de insatisfação popular em conjunto com os professores. Muitos pais de família querem ver seus filhos em casa ajudando nos afazeres domésticos ou nos afazeres rurais e se veem aperriados tendo que mandar seus filhos para as escolas. Também os motoristas de transportes estudantis que querem fazer suas feiras aos sábados (a feira livre de Serra Negra do Norte é realizada aos sábados) nãos estão podendo mais.
Se é um direito previsto na lei que os trabalhadores devem reivindicar seus direitos em plenárias sindicais porque que os professores os professores devem pagar por suas paralizações desses dias de luta? Foram na realidade três dias consecutivos de paralização.
QUE DEMOCRACIA É ESSA? E QUE CIDADANIA?
Os serranegrenses têm tantos apreços pela educação, tanto clamor pela altivez formativa que deveria ter em alto número muitos aprovados em concursos e em vestibulares.    

terça-feira, 15 de maio de 2012

O TEU MUNDINHO DE MERDA

Para medíocrizar não adianta sorrateirizar uma posição de íntima hipocresia nesse seu mundinho de merda. Sua voz soa tão soante,mas é tão irritante que a grandeza da tua estupidez não se mistura com a sua menospresença. É ridículo conhecer a tua posição de pantera dos aacasos e incentivar-lhe a querer o que não o é querido. Se você quiser beber de uma seiva sem gosto e sem tempero vá em frente, mas só não venha me procurar para a análise dos seus acasos. Queira o ouro para si e para os outros e se junte a uma minúscula corja de marionetes incontestes que nem se quer tem tempo de pensar em sua situaação. Por isso que eu digo: prove daquilo que lhe desperta os sentidos, porém fuja do quadro de moldagens sem acalentos.

sábado, 12 de maio de 2012

O LEITOR LEU O MEU BLOG,GOSTOU E PRODUZIU.

TENHO MUITA SATISFAÇÃO DE PODER POSSIBILITAR A DESCOBERTA DA ARTE POÉTICA NA MENTE DOS LEITORES.

O AUTOR DO BLOG GAMADINHO LENDO O MEU BLOG SE INSPIROU NO ARTIGO "BICOS-DE-PEITOS DUROS" E PRODUZIU A SEGUINTE OBRA ABAIXO:

POEMA: "A PALAVRA PERSEGUIDA"
POETA: AUTOR DO BLOG GAMADINHO

Como poeta aqui estou,
Pra mostrar esse meu talento,
Enquanto aqui comento,
O que muita atenção me chamou.
Quando se fala da perseguida,
Muito homem se ver em contra mão,
Perde a vergonha só de ouvir,
Quem fale alto esse palavrão.
Colicença da palavra Bu cê ta,
Xe re ca ou coisa parecida,
Eu prefiro mesmo falar,
A palavra menos dita perseguida.
É bonito de se dizer,
Como é bom de se olhar,
Há quem goste de pensar,
Em querer tal fruta comer.
A fruta da maçã,
Que Eva e Adão,
Comeu sem saber,
Que estavam peladão.
Como os tempos mudaram,
Agora a senssura é muito rígida,
Quando se trata de sexo,
Essa fruta nos parece proibida.
Pra quem não é chegado a uma fruta,
É capaz de nos proibir,
Usa a senssura pra nos negar,
O direito de assistir.
Um bom video de mulher,
Que esteja disposta de ser filmada,
Pra mostrar sua beleza nua,
Quando todo mundo dorme de madrugada.
A senssura não gosta de mulher,
Deve ser um viado qualquer,
Incapaz de querer olhar,
Uma mulher nua e amar.
Quem é homem em BICOS-DE-PEITOS DUROS.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

A MORTE DE F GOMES ESTÁ PRESTE DE SER ELUCIDADA

MUITOS GRAVATINHAS FORAM PRESOS SUSPEITOS DE ENVOLVIMENTO NA MORTE DO GRANDE JORNALISTA CAICOENSE F GOMES.


UM BOCADO DE SEM-FUTUROS ESTÃO PRESOS PELO BRILHANTE TRABALHO DA DELEGADA DO DEICOR SHEILA FREITAS (FOTO DO BLOG DE SIDNEY SILVA LOGO ABAIXO), ESSA GUERREIRA DESTEMIDA QUE IMPÔS SEU ESPATACULAR VALOR AO ENCARAR A MORTE DO NOSSO SAUDOSO E IDOLATRADO F. GOMES.

EU ADOREI SUA ATUAÇÃO. É UMA MULHER DE FIBRA QUE NÃO TEMEU NENHUM CILMA DE REJEIÇÃO COM RELAÇÃO AOS SEUS ACUSADOS. F. GOMES DEVE DE ESTAR VIBRANDO AGORA COM ESSA GUERREIRA. FIQUEI MUITO SURPRESO E DESGOSTOSO COM O POSSÍVEL ENVOLVIMENTO DO TENENTE-CORONEL MARCOS MOREIRA (FOTO ABAIXO DO http://www.vcartigosenoticias.com ). "A Justiça decidiu, nesta quinta-feira,(03), decretar a prisão preventiva do Ten Cel Marcos Antônio de Jesus Moreira, por suposto envolvimento na morte do jornalista F Gomes, ocorrida em 18 de outubro de 2010. Ele é ex-diretor da Penitenciária Estadual do Seridó (Pereirão) em Caicó e atual comandante do 11º Batalhão da PM na cidade de Macaíba/RN. A prisão do PM acontece depois de uma nova jornada de investigações coordenadas pela delegada Sheila Freitas, que atua na Deicor. Essas investigações apontam Marcos Antônio como um dos partícipes do consórcio criminoso que se formou para planejar e executar a morte do jornalista caicoense", disse o sitado site.

Ex-Major Moreira
Já estão presos: João Francisco dos Santos, o Dão, assassino confesso de F Gomes, pastor Neudo Soares do Amaral, o também PM Evandro Medeiros, Laílson Lopes e o advogado Rivaldo Dantas de Farias.

acusado
Pastor Gilson

Advogado Ridalvo

João- vugo Dão, quem atirou.

Lailson- vugo Gordo da Rodoviária.
A participação de cada um na morte do radialista será detalhada nos próximos dias em uma entrevista que será concedida pela delegada responsável pelas investigações. Especula-se na imprensa caicoense que o valor pago a Dão para matar F Gomes teria sido 10 mil reais.O Ten Cel Marcos Antônio de Jesus Moreira ficará preso em um quartel da PM na capital potiguar.
Todas essas informações já estão espalhadas por vários blogs de Caicó e tem até vídeos na net de declarações da advogada guerreira.

LITERATURA ESPAÑOLA: LA MUCHACHA EBRIA

POEMA: LA MUCHACHA EBRIA

POETA: Efraín Huerta

Este lánguido caer en brazos de una desconocida,
Esta brutal tarea de pisotear mariposas y sombras y cadáveres;
Este pensarse árbol, botella o chorro de alcohol,
Huella de pie dormido, navaja verde o negra;
Este instante durísimo en que una muchacha grita,
Gesticula y sueña por una virtud que nunca fue la suya.


Todo esto no es sino la noche,
Sino la noche grávida de sangre y leche,
De niños que se asfixian,
De mujeres carbonizadas
Y varones morenos de soledad
Y misterioso, sofocante desgaste.


Sino la noche de la muchacha ebria
Cuyos gritos de rabia y melancolía
Me hirieron como el llanto purísimo,
Como las náuseas y el rencor,
Como el abandono y la voz de las mendigas.


Lo triste es este llanto, amigos, hecho de vidrio molido
Y fúnebres gardenias despedazadas en el umbral de
Las cantinas,
Llanto y sudor molidos, en que hombres desnudos, con sólo
Negra barba
Feas manos de miel se bañan sin angustia, sin tristeza:
Llanto ebrio, lágrimas de claveles, de tabernas enmohecidas,
De la muchacha que se embriaga sin tedio ni pesadumbre,
De la muchacha que una noche —y era una santa noche—
Me entregara su corazón derretido,
Sus manos de agua caliente, césped, seda,
Sus pensamientos tan parecidos a pájaros muertos,
Sus torpes arrebatos de ternura,
Su boca que sabía a taza mordida por dientes de borrachos,
Su pecho suave como una mejilla con fiebre,
Y sus brazos y piernas con tatuajes,
Y su naciente tuberculosis,
Y su dormido sexo de orquídea martirizada.


Ah la muchacha ebria, la muchacha del sonreír estúpido
Y la generosidad en la punta de los dedos,
La muchacha de la confiada, inefable ternura para un hombre,
Como yo, escapado apenas de la violencia amorosa.


Este tierno recuerdo siempre será una lámpara frente a mis ojos,
Una fecha sangrienta y abatida.
¡Por la muchacha ebria, amigos míos!

SEBO VERMELHO DO RN EDITA LIVRO DE CANGACEIROS.

LIVRO "LAMPIÃO EM MOSSORÓ" NARRA EM FATOS VERÍDICOS O ATAQUE DOS CANGACEIROS A CIDADE DE MOSSORÓ.

"Em 1955, o historiador Raimundo Nonato da Silva publicou Lampião em Mossoró, com selo da Pongetti, terceiro volume da Série C (livros), da Coleção Mossoroense, com edição esgotada em um mês. É a primeira publicação sobre a presença do rei do cangaço em Mossoró.
Tudo aconteceu dia 13 de junho, fim de tarde de uma segunda-feira chuvosa, quando Lampião entrou em Mossoró, perdeu dois cangaceiros e colecionou sua maior derrota.
Dizem que o culpado foi Macilon, que fez a cachola de Virgulino, dizendo ser negócio atacar a terra de Santa Luzia.

Lampião em Mossoró é um dos poucos livros sobre o cangaço embasado em documentos. Tem o depoimento de Jararaca, publicado no Mossoroense, nominando 45 cangaceiros que participaram do ataque; a reprodução fac-similar do bilhete de Lampião ao prefeito de Mossoró, dia 13 de junho; uma fotografia com os defensores da cidade e a presença do prefeito Rodolfo Fernandes; o diário do coronel Antônio Gurgel, que ficou 16 dias sequestrado pelo bando e escreveu um rico diário, de 12 a 28 de junho de 1927; o processo contra Lampião, em Pau dos Ferros, que ficou aberto de 1927 a 2008, quando Sérgio Dantas, juiz e pesquisador do cangaço, encerrou essa pendenga.
Raimundo Nonato da Silva, renomado historiador norte-rio-grandense, também é o mais injustiçado da província. Em 2003, o Governo do Estado e Diário de Natal publicaram dez fascículos sobre as personalidades do oeste potiguar, mas acabaram esquecendo o nome e a importância do autor de Lampião em Mossoró.
Segundo a Bibliografia do Rio Grande do Norte, a enciclopédia da literatura norte-rio-grandense, de Francisco Fernandes Marinho, Raimundo Nonato teve 96 livros editados e reeditados, com muitos títulos de importância nacional, como Quarteirão da Fome (1949), A Revolução de Trinta em Serra Negra (1955), Lampião em Mossoró (1955), Estórias de Lobisomem (1959), Bacharéis de Olinda e Recife (1960), Os Revoltosos em São Miguel (1966), Presença Norte-rio-grandense na Alçada Pernambucana (1971), Jesuíno Brilhante – O Cangaceiro Romântico (1970) e Calepino Potiguar (1980).
Raimundo Nonato da Silva nasceu em Martins (RN), em 18/08/1907, e faleceu no Rio de Janeiro, em 22/08/1993". Abimael Silva (Sebista e editor).

quinta-feira, 3 de maio de 2012

AOS CEGOS PARTIDARISTAS DO ALTO DA BOA VISTA.

AINDA PERSISTE O PARTIDARISMO NO ALTO DA BOA VISTA.


É IMPRESSIONANTE que, em pleno século XXI, ainda exista em Caicó grupos de partidarismo mesquinho definido como bicudos e bacuraus. É uma corja medonha que está toda hipnotizada pelo fenômeno do papismo ou do verdismo. Os políticos que implantaram essa denominação conseguiram lesar muitas pessoas de tal maneira que elas hoje se sentem cegas por não perceber as falhas constantes de seus políticos. Levam a vida toda a vibrarem de emoção clamando o nome do Papa ou de Manoel Torres na boca. Preferem serem eleitores ignorantes ao ponto de não pararem para analisar as situações de desconforto que seus políticos muitas vezes cometem. Mesmo o tal político errando ainda se houve a aclamação dele em vésperas de campanhas e durante o período eleitoral.
Percebo aqui nesse Alto uma corja de pessoas que se dizem do Vermelho doente e votam em todos os políticos que assumem essa bandeira. Outra corja veste o verde e delira pelo nome atípico do político verdejante. Todas essas pessoas são cegas e lesadas pelo populismo que foi implantado nessa divisão mesquinha e corrupta do partidarismo em Caicó. E ficam crendo em promessas de campanhas, em discursos falsos que analfabetizam as pessoas ignorantes e colocam-nas na manipulação de qualquer forma. Só na minha rua existe uma verdadeira corja de partidaristas que saem mesmo as ruas clamando por seus políticos sebosos. Essas ingênuas pessoas são incapazes de enxergarem um palmo em sua volta, ou seja, se seu político roubar o dinheiro público elas ainda o defendem com unhas e dentes. Às vezes elas chegam até a brigar com outras pessoas por causa de seus políticos e eles ficam só assistindo de camarote a besteira desse povo analfabeto, porque por mais que se eduquem os eleitores para que votem conscientemente pensando no bem comum, mas eles não querem e votam por seus egoísmos e adoração política.
Eu sei de casos aqui no Alto que só porque um político do verde ajuda uma família ela determinou toda a sua vida para votar no lado do verde e fica com raiva se alguém não votar no seu partido. Sei também que só porque um político do vermelho ajudou a mãe de alguém esse alguém e toda a sua família devota toda a sua existência em votar nesse político.
Minha gente não faça isso com o voto. Analise o político, queira saber de suas propostas e quando eleito acompanhem-nas durante o mandato. Peça ajuda para todos e não só para você. Não seja egoísta e não cometa esse crime. Veja a ficha do político se é limpa ou suja. Não aclame a política como se ela fosse um time de futebol ou um santo milagreiro. Você não está agindo como um cidadão, já que exercer a cidadania não é só votar não. É pensar nos outros enquanto para si. Vote apenas um mandato pelo que aquele político fez no seu bairro e também na sua cidade e se ele merecer ser eleito novamente dê outra chance a ele, mas fique de olhos abertos e na primeira errada do político pule fora. Quem é partidarista é um escravo do seu político, pois é ele quem manda e dá a ordem que se deve obedecer.

RETALHO DA SECA

POESIA: RETALHO DA SECA

POETA: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.

É tempo de seca
Caboco sofrido
O açude secou
Tá tudo perdido
A água não vem
E tudo que tem
Deve ser vendido.

A seca castiga
Caboco valente
O mato resseca
Fica diferente
A folha que cai
É vida que vai
Para a terra quente.

Flagelo do cão
Que mata animal
Lhe falta o comer
O bom vegetal
A vaca padece
E tudo falece
Por força do grau.

Não tem a cisterna
Não tem cata-vento
O pasto tá seco
Só vive o lamento
A fome provém
E o pouco que tem
É só sofrimento.

A seca obriga
Sair da terrinha
O pobre caboco
Vendeu a vaquinha
Agora se evade
Para uma cidade
Na triste vidinha.

Deixa seu roçado
O pote a latada
O pé de juazeiro
E sua velha enxada
Segue seu destino
Caboco menino
De mão calejada.

Percorre a vereda
Da triste verdade
Deixando o cochete
Aberto à metade
Desgosto na cara
Vai no pau-de-arara
Pra grande cidade.

Olhando pra trás
Saudade no peito
Um choro provém
Sem um preconceito
O carro rodando
Caboco chorando
Porque não tem jeito.

Chega na cidade
É tudo esquisito
A zoada danada
É grito com grito
O caboco ariado
Fica perturbado
Com tantos agito.

Se vai procurar
Emprego não tem
E fica jogado
Como Zé-ninguém
Os olhos sem brilhos
A fome dos filhos
È vossa também.

E vive de esmola
Morando na rua
Sofrendo um olhar
De esnobe perua
Querendo trabalho
Vivendo em retalho
Pra tristeza sua.

Feito dia: 01/ 05/ 2012.

VADIOS DA SECA GRANDE


POR: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.
Andam pelas estradas esses magotes de bichos em sofreguidão. Clamam por um pingo Flagelo Vital e o culpam por tamanha situação de penúria. Vão com seus pés empoeirados pelo tempo e com os cabelos endurecidos pela falta da lavagem higiênica que a porca sociedade cria e recria com suas práticas simbólicas. Querem ver senão um poço de líquidos pluviais onde possam cair com todas as suas pompas de lábios na lama. E comem terra. E bebem lama. E mascam as ramas que ainda restam de cor. Preferem mais sugar o sulco vegetal de raízes e a comerem alguma delas para enganar a maldita fome que se alastra interior adentro. Ninguém os pode salvar, pois o que eles tinham vendeu para o latifundiário que comprou seus vaccuns a preços de bananas e o terreiro a preço de rapadura. Tiveram que sair do seu cubículo terreno e se lançar na divina providência dos estradões, clamando pelas esmolas emergenciais dos engravatados que respiram a frieza dos seus condicionadores.
São eles a praga que para os engravatados envergonham o Nordeste e lançam o ar de penúria que entranha na pele de cada um vivente e lhe adorna com rotulagens debochadas e gozadoras que os molhados do Sul e do Sudeste gostam de manipulá-los como se eles fossem brinquedinhos de esmolas.
Vão a derredor na esperança de viver. Vai-te uma loira avermelhada pelo Deus levando a tiracolo uma menina branquela em berros de fome e de dor. Vai-te um mancebo com uma enxada nas costas e de tão queimado ficou preto com a negritude da vida labuteira. A loira de toca, uma galega sarará, especialista na arte de fazer peças de barro, andava pensa pra um lado de tanto levar a moleca chorona. A velha sua avó vinha mais atrás e não podia andar ligeiro já que era obesa e estava sofrendo de falta de combustível no seu bucho. Já havia perdido quilos nessa caminhada e ansiava chegar à beira de um açude e se lançar de corpo e alma na curtição da fonte da vida. Vinha também um velho engembrado dirigindo uma carroça-de-burro cujo animal já não tinha forças para levar o peso da velhice e dos teréns daquela família retirante da terra mãe. Mais atrás vinha outro casal com suas trouxas de molambos desacostumados com a situação que os viventes estavam vivendo. A galega era até destemida já que andava olhando cuidadosamente a beira do estradão e quando avistava um partido de macambira corria para dar de beber ao seu animalzinho humano. O homem queimado era dado a procurar fruto de xiquexique para ele dar de comer a todos que andavam em sua vadiagem.
Um moleque sambudo de trouxa comprida também andava mais eles por que recebeu a ordem do emissor de fazer companhia para o bando afim de que desvinculasse a hipótese de planejamentos de foco. O moleque ia com uma baladeira para ver se por obra do destino não passava nenhuma rolinha cascavilhina pelos matos. A menina berrava e o moleque tentava distraí-la com a sua baladeira.
O velho da carroça já não detinha as forças necessárias para guiar o burro que de tão forte e resistente estava fraco, mas ainda podia quadrupiar pelas estradas da vida. Quis a menina da tipóia ainda sugar as tetas da sua magra mãe, porém o que ela encontrou foi senão o sal ácido do corpo materno que há vários tempos não se perfumara com a água do céu.
E caminhavam, caminhavam, caminhavam... Até que chegou a noite e aquela família de vadios irreputáveis parou no aceiro da estrada e foram enganar a barriga com farinha seca e rapadura de mel-de-furo. Comeram e tomaram um pouco de água salobra que eles haviam arranjado numa cisterna velha do governo. Foram dormir com a certeza de que toda chiqueza pode morrer com a seca que o Deus permite no sertão. Dormiaram com a certeza de criar forças para enfrentar mais um novo dia de labuta e lamento. E irão sonhar com a certeza de que só o Deus da Gravata pode amenizar tamanha sofreguidão. Mas se isso depende da união de forças divinas dependerá também da força coletiva do sertanejo.

XERECA BRANCA


Porque será que aquela menina que consta lá seus 18 anos ou mais quis mostar sua xereca para os vadios daquela ruela? Ninguém se pôs a entender tal fato inusitado. O que se sabe é que sem mais e nem menos Maria Caçuleta, como era chamada por todos os moradores da região de Saco Grande, chegou ao meio de uma cabroeira, levantou sua espécie de saia e amostrou para todo mundo a sua xereca e partiu para cima de um cabra que ela não simpatizou direito e passou a xereca na barriga do moço que todos achavam que ela ia cometer o ato insano. O moço até ficou sem fala ao ver o tamanho da xereca a fazer pressão em sua barriga, fazendo esse pobre cabrocha se tremer todinho.
A xereca branca era acostumada a trabalhar com nervos de todas as estaturas, mas a sua dona havia lavado-a para experimentar no corpo daquele coitado que quase se mijou quando a mulher branca espremia sua xereca nos quadris do escolhido. A xereca gostava muito de se esconder como bainha e sua dona, tipicamente sertaneja, tinha um cuidado danado com ela. Chegava à dona até a passar perfume na xereca, pois como sua companheira, era comum esse tratamento adequado, e ela não queria ver sua xereca fedorenta pelos odores do couro.
Descobriram os curiosos que a causa para tal fato da mulher passar sua xereca na barriga do cabrocha foi porque o moço havia feito juras de amor a Maria e depois caiu no mundo. Desde esse dia essa mulher comprou uma faca e lhe pôs o nome de xereca. Esperou o moço por certo tempo e quando ela avistou o safado com um grupo de amigos, não pensou duas vezes e quis enterrar sua xereca na barriga do coitado. Não fosse seus amigos ter pegado a mulher e ter passado a mão em sua xereca e tomado-a o moço era hoje um finado sacugrandense.

ARARINE


FALAS que és tu Ararine que ligava pra mim em OFF LINE! Falas que és tu que me atentou as tentações e me fez teu escravo de mascavo. Não fiques como uma doidivana sem saber aonde chegar e para onde se quer sair. Dizem que a tua fala é pouco compreensiva longe de um aparelho fibroso, pois há uma estridência pejorativa que eu conheceria de longe. Vi no topo o teu topless com mais ansiedade e desejei subir no serrote da agonia para lhe ter em compulsão, lançando a miúde um campo magnético de repulsão a coisas supérfluas. Nunca se achou uma evidência tão evidente como essa: era o próprio som da voz maliciosa da têmpera vadia dos acasos. Em outras palavras, o que tem para ouvir é o que tem para dizer, pois através do dito gera-se o ouvido.
Faças de conta que tudo é melancolia e que tudo gira ao redor da efemeridade relativa. Você me pareceu tão experiente no aparelho falatório que cheguei a cogitar uma franquia espermicida que demora um tanto que a credenciação leva para aceitar. Mas foi algo que não tinha provado com a prova de sua relativa tentação. Seu querer é para mim um enigma curioso que não consigo desvendar, mesmo que você empate um pato de empatar com a pata da querência tola e medíocre.
Eu ainda vou subir naquele serrote da tua casa para pendurar a bandeira pioneira da conquista social, longe de seus ministros e ministras que desvinculam seu governo de querer próprio. Faças -força do meu eu- aquilo que queres fazer com a tua vontade de íntima amputação dos acasos.
Tu és senão uma secretária eletrônica que ganhastes vida no fantástico mundo do poeta de amigações duvidosas. Ou serás tu humanas da genitália humana que só vive de afrouxes e deboches com os simbolismos dos pergaminhos vistosos, mas que causam efeitos colaterais diante de duvidosas aparições que foram verificadas no meio aquoso do serrote ribeirinho. Se você sair Ararine desse rio verás que tu não serás mais um peixe de linha telefônica, onde as ondas fluviais a levam para lugares mais longínquos de sua molhada existência. Vivas Ararine sem esse encanto de sereia moderna que sai da água para ligar para seus marinheiros.

NOVA CHAMADA DE APROVADOS NO CONCURSO PÚBLICO DE CAICÓ NESTE MÊ DE ABRIL DE 2012.

VEJAM ABAIXO A LISTA DE CONVOCADOS QUE SAIU NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE NESTE MÊS DE ABRIL DE 2012. FORAM CHAMADOS VÁRIOS PROFESSORES.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAICÓ

GABINETE DO PREFEITO
Av. Cel. Martiniano,993 – CAICÓ/RN
C.NPJ (MF) 08.096.570/0001-39

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

O Prefeito Municipal de Caicó no uso de suas atribuições legais, com fulcro nas leis complementares nº(s) 4.245 de 11 de Setembro de 2007, 4.384 de 20 de Outubro de 2009, nº 4.386 de 05 de Novembro de 2009 e Decreto Municipal nº 227 de 21 de dezembro de 2009 que regeu esse edital, em Consonância com Comissão para a realização do Concurso Publico designada através da portaria nº 445 de 03 de Dezembro de 2009, resolve convocar os candidatos abaixo relacionados a comparecerem ao Centro Administrativo – Departamento de Recursos Humanos, Localizado na Avenida Coronel Martiniano, 993, Centro, Caicó – RN, para informações e encaminhamento à obtenção dos documentos necessário a nomeação, no período de 16 de abril a 16 de maio de 2012, no horário das 08:00 às 13:00 hs.
Ficam alertados que o não comparecimento dos convocados, munidos de toda documentação necessária, até o dia 16 de maio de 2012, implicará na perda do direito à posse e de qualquer outro direito inerente ao Concurso, conforme os termos do Edital:
OS CONVOCADOS FORAM OS SEGUINTES:

SAÚDE: (CAPTURADOR) = JOÃO PAULO BRITO DE ARAÚJO;

AGENTE DE ENDEMIAS: LEONIDAS DOS SANTOS ARAÚJO;

ODONTÓLOGO – ESF: TASIANA GUEDES DE SOUZA;

ASSISTÊNCIA SOCIAL: (COZINHEIRO) = ANA LÚCIA TARGINO DE SOUZA CUNHA;

ADMINISTRAÇÃO: (VIGIA) = GILBERTO VALE DO NASCIMENTO;

EDUCAÇÃO: (PROFESSOR – ZONA URBANA – EDUCAÇÃO INFANTIL) = MARIA CRISTINA DANTAS DE OLIVEIRA;

PROFESSOR – ZONA URBANA – POLIVALENTE – 1º AO 5º ENSINO FUNDAMENTAL:
EDILZA MARIA DE AZEVEDO ARAUJO;
SUELE SANARA SANTOS DE AZEVEDO;
MARCIANO SOARES;
AURENI CÂNDIDA DA SILVA;

PROFESSOR – ZONA URBANA – PORTUGUÊS – 6º AO 9º ENSINO FUNDAMENTAL: MARCOS LEOPOLDO DE SOUSA;

COXA GORDA

ISPI SÓ CARMELITA, COMO AQUELA COXA DAQUELA GORDA É TÃO GORDA QUE NÓIS PODE FICAR CALCULANO DAQUI PRA MEDIR UMA FAIXA DE TRÊS METROS DE DIÂMETRO. VEJA SÓ QUE ELA ENGORDOU TANTO QUE MAL PASSA NA PORTA DE SUA CASA E NEM TAMPOUCO AS SUAS COXAS CABEM DENTRO DE UM SHORTE DA LAISCA.
O VÉI DESSA RUA FICA TUDO OIANO AQUELE ROLO BRANCO ASSENTADO NUM BATENTE VENO O TEMPO PASSAR E NEM SE QUER SE TOCA QUE É UMA COXA QUE DISPERTA A ATENÇÃO DOS COXEIROS DE PLANTÃO. É SENÃO UM PIGUÁ DA CAIBRIERA OU UM AZEDUME DA CATINGUEIRA. VI QUE ELA GOSTA MUITO SE RI MAIS É SÓ COM RELAÇÃO AS COXAS GORDAS DOS OUTROS. MACACO ADEMORA DE OIÁ PARA O SEU RABO. ELA PREFERE MAIS AMOSTRAR SUAS COXAS GORDAS PARA A RECA DE SUA LAIA E NÃO PARA O SEU DESENGONÇADO MARIDO QUE DE TANTA CARROÇA QUE PUXA JÁ TÁ NA CACUNDICE DA VIDA SUA MISERÁVE. É DE SE NOTAR QUE QUANDO ALGUÉM FICA CONTRA AS SUAS COXAS GORDAS DEVERAS NÃO FALA DE SUAS PANTURRILHAS VISTO QUE NÃO CARECE FALAR DE ALGO QUE NÃO DISPERTE A ATENÇÃO COMO AS COXAS DA GODA EMPACADA.
DIZ AS MÁS LÍNGUAS QUE QUANDO ELA DÁ UM LANCE DE COXA NO SEU MARIDO VÉI, ESTE FICA ALEJADO PELO MENOS UMA SEMANA COM A DOR DE TER SUPORTADO AQUELE REBOLO DE COXAS QUE MAIS PARECE DOIS ROLOS DE EVA BRANCOS.
SE ELA TIVESSE CAÍDO NAS MÃO DO MANÍACO DAS COXINHAS, ESTE ESTARIA RICO DEVIDO O FATO DE SIMPLISMENTE TER CARNE BRANCA PARA PREENCHER UMAS 2 TONELADAS DE COXINHAS. VAI TER COXA GORDA ASSIM PRA LÁ!