sábado, 28 de novembro de 2015

EDNALDO LUÍZ É AVIVADO COM VARAL POÉTICO

FOI NUM EVENTO ACONTECIDO NA CIDADE DE SERRA NEGRA DO NORTE, EM PLENA PRAÇA PÚBLICA, QUE O PROFESSOR E POETA DAQUELE LUGAREJO O EDNALDO LUÍZ FOI AGRACIADO COM O AVIVAMENTO DE UMA CORTINA COM A MENÇÃO HONROSA DO BANNER DE SEU BLOG.
ISSO MESMO, O BLOG DO POETA DO SERIDÓ FOI DESTACADO COMO ELO PARTICIPANTE DO REGISTRO CULTURAL DA CIDADE SERRANA. IDEALIZADO PELA GRANDE AMIGA E PROFESSORA MARLENE CAVALCANTI, A CORTINA SE INTITULAVA "VARAL POÉTICO" E QUE EXALTAVA 3 OBRAS DO POETA QUE ILUSTROU O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA DAQUELA CIDADE. PENA QUE EU NÃO PUDE ESTÁ PRESENTE....

sábado, 21 de novembro de 2015

A HISTÓRIA DOS PAIÓIS DE PREÁS NO SERIDÓ

POR: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.

FOTO DA NET PARA ILUSTRAR.
UM DOS ANIMAIS DA CAATINGA mais saborosos que tem é o PREÁ (Cavia aperea, vulgarmente conhecido como preá ou bengo), um roedor esperto e veloz em suas fugas, mas tolo o bastante para não fugir de predadores como a cobra-de-veado e o homem. os preás vivem em sua maioria em bandos e gostam de procurar mais as tocas de garranchos conhecidas no Seridó como coivaras. As coivaras intrínsecas se camuflam com a sequidão de cor amarelada e escondem a espécie de roedores. Ficam lá preares de todos os tipos e espessuras, os suculentos em carne e os magrelos em osso, os curtos e compridos e os da cabeça pequena e grande. Ficam na moita. Também a fêmea conhecida no Seridó por Punaré que é diferente dos machos. Elas possuem caldas longas e são muito ligeiras e agressivas, principalmente se estiverem chocas ou com filhotes. Ela tem um rabão.
Num determinado lugar podemos ver muitos preás, em grupos ou solitários. Eles costumam roer raízes, frutos e verduras.
Seu habitat natural é a Caatinga braba, sertão seco e poeirento. Sua coloração é acinzentada.
Dessa forma o homem nordestino, principalmente do Seridó de outrora, vivendo na seca, tem que buscar recursos de sobrevivência nos temperos da mata e se lançam a caçar as variedades que antes não se extinguiam com facilidade. E como o preá se reproduz numa grande velocidade, este foi visto como uma das caças mais fáceis de se matar a fome da mesa seridoense. Um cozido de preá se dava por lamber os beiços, inda mais nos tira-gostos de fuzaca. Um guisado de preá com arroz e macarrão atinava nos PFs sertanejos como uma iguaria que dava o sustentáculo para os corpos deteriorados da caboclada.
Daí o homem seridoense ter na mente a idéia de sobrevivência que o conduzia a desenvolver métodos de captura da prearama viva, para depois comer. E se cascavilhava a caixola na feitura de armadilhas que conseguisse pegar muitos preás. Assim faziam assentos de pousos falsos chamados de FOJOS, onde o preá por inocência subia em cima e tinha a má sorte de descer pelo ralo, como se dizia nos sertões. Caía o bicho dentro do fojo e o caboclo podia ao nascer da aurora ir buscar a prearama viva e guardá-la em casa. Em casa tinha-se que fazer uma geometria circundante, uma casa de preá, que ficou conhecida como PAIOL DE PREÁ.
Pegava-se o canto de um quarto velho, armazém ou galpão e colocavam-se tábuas, frandes e lonas. Tinha que deixar o paiol meio alto para a prearama não pular. Depois só era trazer os preás vivos e derramar dentro do paiol, colocando rama de batata-doce, batata-doce, cenoura e até frutas. Ponhava-se também um capim seco para que os bichos pensasse que estava na mata, na Caatinga braba. Meu pai, o Velho Zé Lulú fazia isso demais. Tinha canso de ter dez ou quinze preás num paiol.
Dava gosto de ver aquela ruma de preás correndo prá lá e prá cá. E as vezes tinha um preá fujão e fugia pra dentro do imóvel ou se estambocava no oco do mundo e ninguém o pegava.
A hora da escolha das chamadas PARÊAS de preás era a mais triste que tinha. O seridoense não sangrava o preá e nem atirava nos preás do paiol. Havia um jeito escangotável de matar o bicho para o preparo do torrado. Pegava-se o bicho pelos pés e o saculejava de vez. Assim o preá morria pelo desconjunto do pescoço. Depois era a vez do trato que podia-se usar borralho de lenha quente ou água fervente. Passava o bicho em um desses métodos e aí ia-se descabelando até ficar bem peladinho. Depois dava-se um corte vertical na barriga e tirava o fato pra fora. O preá era cozido com cabeça e membros.

Era muito delicioso. Eu mesmo comi muito coxa de preá e cabeça. E até dizia-se que quem comesse muita cabeça de preá ficava inteligente. 

POESIA DE EDNALDO LUÍZ É EXALTADA EM SERRA NEGRA DO NORTE

UMA POESIA DO POETA DO SERIDÓ EDNALDO LUÍZ É EXALTADA NA CIDADE DE SERRA NEGRA DO NORTE EM PLENA HOMENAGEM AOS NEGROS QUE COMPÕE A CIDADE SERRANA. INTITULADA "A MARCA NEGRA DA SERRA" É UMA OBRA QUE CONTA COMO A COR NEGRA ESTÁ INTRÍSECA NA POPULAÇÃO SERRANEGRENSE A PARTIR DE SUA HISTÓRIA E DE SUA LENDA. O POETA FICA MUITO FELIZ, POIS SUA OBRA SERÁ APRESENTADA EM PRAÇA PÚBLICA POR UM EVENTO ORGANIZADO PELA BRILHANTE VEREADORA ANA KARINNE SOBRE A HOMENAGEM DO DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA NO BRASIL.
A OBRA SERÁ APRESENTADA DEPOIS DA ENCENAÇÃO DA PEÇA TAMBÉM DE AUTORIA DE EDNALDO LUÍZ QUE FALA DE FORMA HUMORIZADA DO SURGIMENTO DA CIDADE DE SERRA NEGRA DO NORTE. TAMBÉM SERÁ APRESENTADA OUTRA POESIA DO POETA EDNALDO LUÍZ QUE CONTA DA CHEGADA DO FUNDADOR DA CIDADE SERRANEGRENSE. TAIS OBRAS SERÃO ENCENADAS E APRESENTADAS POR ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL HERMES FURTUNATO DOS SANTOS, SOB O AUXÍLIO ARTÍSTICO DA PROFESSORA MARLENE CAVALCANTI. VEJA ABAIXO UM TRECHO DESSA POESIA: 

A MARCA NEGRA DA SERRA.

A negritude serrana
Dos escravos dessa terra
A cor que deu nome a Serra
Na Caatinga do mocó
“Currá de Mané Monteiro”
O negro foi bom vaqueiro
Na lida do Seridó.

Em Serra Negra do Norte
O negro fez descendência
Incrementou com prudência
A geração da cidade

Prosperando a negra Lenda...

A MARCA NEGRA DA SERRA.

POESIA: A MARCA NEGRA DA SERRA.
POETA: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.

A negritude serrana
Dos escravos dessa terra
A cor que deu nome a Serra
Na Caatinga do mocó
“Currá de Mané Monteiro”
O negro foi bom vaqueiro
Na lida do Seridó.

Em Serra Negra do Norte
O negro fez descendência
Incrementou com prudência
A geração da cidade
Prosperando a negra Lenda
Batizando em oferenda
Com os Negros da Irmandade.

Por todo canto tem marca
Do negro fossificada
Nos Parques de Vaquejada
Da tradição tão serrana
Nas caçadas do matuto
No sangue que corre bruto
Da cidade interiorana.

Tem marca na cavalgada
Setembro marca por vez
O negro com português
Fez o povo do lugar
Construindo a fibra forte
Pra Serra Negra do Norte
Muito mesmo se orgulhar.

Nas veredas da Caatinga
Nas paredes da Barragem
Tem as marcas da coragem
Da negra vida que vence
O poeta negro pintou
E a imagem que prosperou
Foi o negro serranegrense.

Feito dia: 16/ 11/ 2015.

O FOGO DA TERRA

POR: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.
PORRA DE SERES HUMANOS! Devem se acabar todos em uma imensa fornalha, maior que as que Adolfo Híttler construiu para assar os judeus. Vão torrar todos e não terá nada para nos salvar. A água ferverá em abundância, os vulcões entrarão em erupções e o calor varrerá as brisas suaves e o ser humano derreterá suas banhas. Nós não podemos mais parar de poluir, o progresso capitalista e os modismos de higiene e de prevenção de doenças, micróbios e bactérias já estão selados no modo de viver humano. As tantas e tantas embalagens que conservam os produtos, os tantos e tantos produtos químicos de higiene e de limpeza fazem os humanos poluírem cada vez mais.
As grandes enxurradas de fumaças tóxicas que sobem para a atmosfera vão construindo ora uma barreira de efeito estufa poluído, ora buracos na camada de ozônio. A Terra assim fica quente, sufocante, esturricável. O El Niño com tanta poluição e desmatamento está desnorteado, sem controle, perdido, alterando o saber dos meteorologistas. Ocasionando secas prolongadas aonde já tinha seca, causando forte estiagem aonde chovia muito.
Também os muitos ar-condicionados vão deixar o ar mais seco e quente. O gelo da Terra está se derretendo. O homem está cada vez mais furando o solo da Terra em busca de minérios ou água o que pode liberar vírus e bactérias que tenham se formado nas profundezas e originar novas doenças.
O desmatamento tira a resfriedade da Terra e o aumento de casas e de ruas pavimentadas e calçadas cimentadas só contribuem para um sufocamento do planeta que está vivendo como uma bomba relógio. Ruas pavimentadas tapam o respirar do solo e o sugar das águas, causando enchentes alarmantes.
Cheias jamais vistas levam água de enxurradas. Há um desequilíbrio ecológico infindável.
E tudo isso deixa a Terra quente, com um fogo inabitável. O calor agitará cada vez mais a mente humana e isso fará com que o ser se torne um pavio explosivo onde aumentará os números de suicídios, de homicídios e de toda mazela de violência. O calor causa um acelerar na produção de hormônios e a puberdade nas pessoas está acontecendo bem cedo. Também isso causa um sentimento de viver mais o agora sem se preocupar com o amanhã. O desespero humano já está sendo natural e muitos seres estão procurando certos ápices de calma nas drogas e no consumismo exacerbado.
Para amenizar mais o calor se optam pela idéia de arborizar, mas o desespero por sombra é tão grande que faz o ser humano optar por únicas espécies de plantas, o que não ocorrerá muito refrigero do ar, pois precisa-se de variedades diversas.

O calor da Terra também agita o feto para uma formação acelerada e muitos seres nascem sequelados. O tempo também está acelerando mais sua rotação. A situação é essa e nem mesmo querendo ir pra Marte nós sobreviveremos.

SUA RABICHOLA

É DE SE MOSTRAR que a rabichola que o X veste é uma afronta ao organismo mundano de proeminências do além, subjugando ao focalismo adestrado e fugitivo de acordo com seus conformes.
É eventual uma miragem rabicholenta que se acha na pose frontal e de esperança duvidosa, fugindo desesperadamente do caos caótico que foi implantado de uma hora pra outra de acordo com os deslizes suicidas do malogro indesejado.
Era um hospício conjunturado e orquestrado para uma plena realização das trombetas a que se sugerem.
Foi um tal de Neto, filho de um pai bisneto. Talvez pudesse colocar entre o neto um “S” de Samba e aí poderia distanciar a palavra arredia de HONESTO ou com muita maldade no músculo cardíaco devesse se chamar FUNESTO.
Mas a rabichola estava esticada posta em enxágüe e dentro havia um ninho fecundo de ser neto. Porém eram ratos que na ratazana fizera um ninho de molambos, de bagaços triturantes e pedaços amalgamados de solidão. E lá se viam raticulados em rátulas a retificação de serem ratos.
Naquela mesa também havia outros montantes de miragens de rabicholas esquisitas, fantasmagóricas e assustadoras de plantão. O que fez surgir então um véu branco de isolamento e sobressaiu diante do código MORE. Geografando a figura de ídolos do deboche, murmurou sorrateiro a mensagem limítrofe:

“Somos os seres de rabicholas em doravante...”

AS TOMADAS DE “BÃE” NOS RIACHOS DO SERIDÓ

POR: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.
ERA DE SE QUERER que voltasse àqueles tempos de outrora, aonde não se via um pé de gente em grandes quantidades e nem tão pouco havia tanta poluição desse jeito. O seridoense por demais da conta vivia num paraíso e não sabia, posto que se reclamava mais do que se vivia. A paisagem natural convidava-nos para um completo frenesi de uma liberdade jamais vista nos recônditos do Seridó.
Eram tempos bons, distantes em anos-luz de Seca braba, onde o inverno pegava pra valer, enchendo açudes e botando córregos e riachos para correr água em abundância. As águas límpidas como as nascentes, corriam em demasia e atinava o homem seridoense para um degustar da frescosidade que a natureza estava dando. Não havia a maldade da poluição, somente podia boiar estercos de animais medonhos. Corriam as águas em velocidade, fazendo remansos nas pedras e nos troncos de pereiros ou de mofumbos caatinguentos.
O verdume pairava nas beiras dos riachos fazendo moitas mais lindas do que ocas de índios e podíamos ficar horas à fio pois não havia as pragas dos perigos diabólicos que existem hoje. As moitas eram bem escondidas e quase ninguém avistava um moiteiro na toca. O perigo era aparecer uma jararaca e picar a gente, mas a natureza não queria muito isso.
Em dias de inverno a molecada já ficava toda afoita para se arrancharem nos matos e tomar banhos nos riachos de outrora. Acordava-se bem cedo a molecada, com os zói chei de remelas e ia logo planejando os banhos nos riachos. Eram meninos com meninas que se uniam em prol da liberdade. Ia viver um dia de índio, como se dizia antigamente.
Mas só iam depois que ajudavam em casa, como colocando água nos potes, varrendo o terreiro ou lavando pratos e roupas. Depois da lida, que não era pesada para a idade dos moleques, corriam eles para os matos, seguindo roteiro dos riachos e parando para acampar quando se achava um riacho meio fundo.
Daí era a hora da despedida, a qual toda a molequeira ficavam como veio ao mundo e timbungavam dentro do riacho. Tinha-se que ouvir o som “TIMBUNGO!!!!”. E era um banho pra cá, um banho pra lá. Não se media o tempo posto que quem dizia a hora de parar era a mãe: “FULAAAAANO! BELTRAAAANO!”, “CADÊ VOCÊ INFELIZ! SATANÁS DOS SEISCENTOS!”
E os moleques tinham que abandonar a brincadeira ou iam correr o risco de levarem chibatadas até umas horas. Mas enquanto a mãe não surgisse aí era tanta a algazarra. Em outros pontos do riacho a calmaria servia para a molequeira macho pegar Passarim. Outros, com o perdão da má palavra, gostavam de cagar em alívio.

Os banhos de riachos não eram ruins, já que ligava o caboco da terra diretamente à natureza. Tinha vez que os moleques levavam até lanches para degustar nos banhos de riachos, como bolacha com rapadura, água, biscoitos, cocadas, etc. outros podiam até cozinhar alguma coisa. Eram assim os banhos de riachos nos tempos de outrora. Espero que voltem!!!!   

VAMOS JUNTAR OS BUCHOS?

POESIA: VAMOS JUNTAR OS BUCHOS?
POETA: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.

Eu vou juntar o meu bucho
No seu bucho tão pequeno
De modelo, tão sereno
No meu bucho avantajado.

O seu bucho de pecado
Que cresceu em demasia
Foi o bucho que eu queria
Preencher com a seiva bruta.

Mas a fuga por disputa
Embuchou por inocência
O meu bucho por carência
Só cresceu pela tristeza.

Seu bucho por natureza
Ficou branco como a lua
Se meu bucho se insinua
Por que quer seu bucho alheio.

O seu bucho em aperreio
Fez-se bucho em duplicata
Se brincar o bucho mata
Todo bucho volumoso.

O meu bucho tão gostoso
Quer sentir o meu buchinho
Eita bucho redondinho
Que balança no abismo.

Um bucho do consumismo
Do viver prisioneiro
Bucho que pensa em dinheiro
Vira bucho de produto.

É um bucho tão enxuto
Com um umbigo bem feito
O seu bucho com respeito
É bucho pra ser amado.

Pra quem ver o bucho alado
Tem vontade de juntar
Bucho que me faz sonhar
É um bucho tão macio.

Bucho que desperta o cio
Faz meu bucho tremular
Com vontade de juntar
Bucho quente e bucho frio.


Feito dia: 20/ 11/ 2015.

ALUNA GABARITA PROVA APÓS TOMAR AULAS DE REFORÇO COM EDNALDO LUÍZ

PARECE MENTIRA, MAS A ALUNA SAIONARA TOMAZ DE ARAÚJO, DO ALTO DA BOA VISTA PROCUROU NO BIMESTRE PASSADO O MESTRE EDNALDO LUÍZ PARA QUE ELE DESSE AULAS DE REFORÇO PARA ELA DE MATEMÁTICA, POIS DISSE A MESMA QUE NÃO ESTAVA ENTENDENDO NADA DO ASSUNTO E QUE IRIA FAZER UMA PROVA IMEDIATAMENTE. COMO O PROFESSOR E MESTRE EDNALDO LUÍZ POUCO NEGA AUXÍLIO A QUEM LHE PROCURA SEJA A PESSOAS DE ESCOLAS PÚBLICAS OU PRIVADAS, E ATÉ MESMO DE FACULDADES, TRATOU ELE LOGO DE ACUDIR A PUPILA E ELA MESMA SAIU DA AULA DE REFORÇO DIZENDO QUE ESTAVA ENTENDENDO TUDO. POIS BEM, FEITO A PROVA, SAIONARA SENTIU-A MUITO FÁCIL E PARA A SUA SURPRESA, QUANDO RECEBEU O RESULTADO FOI GRATIFICANTE COM A NOTA MÁXIMA....10! ELA BEM QUE DEPOIS AGRADECEU AO POETA DO SERIDÓ EDNALDO LUÍZ PELA VITÓRIA CONSEGUIDA.
JÁ TEVE OUTRA ALUNA DE NOME ANA  BEATRIZ QUE TAMBÉM PROCUROU EDNALDO LUÍZ PARA DAR AULAS DE PORTUGUÊS DIZENDO QUE ESTAVA COM A NOTA MUITO BAIXA E QUE QUERIA RECUPERAR NO TERCEIRO BIMESTRE. O MESTRE FOI DEU AS AULAS E ELA FEZ A PROVA E PARA A SUA GRATA SURPRESA, DE UMA PROVA VALENDO 10, ELA TIROU 9,0. É MUITO GRATIFICANTE ISSO!!!
TAIS RESULTADOS SÓ CONTINUAM A ENGRANDECER O TALENTO PARA A INSTRUÇÃO DE EDNALDO LUÍZ QUE MESMO NÃO PODENDO MAIS DAR AULAS DIARIAMENTE DE REFORÇO, AINDA CONTINUA BRILHANDO DANDO AULAS NO RETALHO E FAZENDO A ALEGRIA DE QUEM LHE PROCURA.
EDNALDO LUÍZ ESTÁ ATENDENDO AO SEU PÚBLICO E CLIENTELA SOMENTE NOS FINAIS DE SEMANA E FERIADOS....TEL> 999257833.

sábado, 14 de novembro de 2015

PIOR ERRO NA SECA É ABRIR COMPORTAS D'ÁGUA PARA UM RIO SECO

E O ESTRAGO VITIMOU A CIDADE DE CAICÓ NESTA SECA DE 2015.
AÇUDE COREMAS EM SEQUIDÃO.
JÁ NÃO BASTA A SECA MEDONHA QUE ATERRORIZA OS NORDESTINOS, ONDE CADA GOTA D´ÁGUA É PRECIOSA, AINDA PUDE VER NESTA SECA DE 15 A LIBERAÇÃO DAS COMPORTAS DO AÇUDES DE COREMAS PARA DENTRO DO RIO PIRANHAS. FOI UM DOS GRANDES ERROS COMETIDOS POR PESSOAS QUE SE DIZIAM QUE ESTAVAM CORRETAS. 
RIO PIRANHAS EM ESTADO DE CALAMIDADE. FOTO DA NET.
É UM ERRO MEDONHO E MUITO GRAVE POSTO QUE SE JÁ ESTAMOS PRECISANDO DE ÁGUA, AINDA TIVEMOS QUE ASSISTIR O TRISTE DESPERDÍCIO QUE FOI ABRIR AS COMPORTAS DE GRANDE AÇUDE PARA DENTRO DE UM RIO SECO. 
BOMBA DE PUXAR ÁGUA DO RIO. FOTO DA NET.
PRIMEIRO PORQUE O RIO SECO SUGA MUITA ÁGUA PELA AREIA POROSA; SEGUNDO A QUENTURA GRANDE DA NOSSA TERRA EVAPORA ASSUSTADORAMENTE QUALQUER RESERVATÓRIO D'ÁGUA DE BAIXA VAZÃO; E FORA OS MALDITOS LATIFUNDIÁRIOS QUE EXISTEM NAS CABECEIRAS DO RIO QUE COM SUAS BOMBAS PUXAVAM ÁGUA NA SURDINA; RESSALVA TAMBÉM OS PIPEIROS QUE SE APROVEITARAM DA ÁGUA DE GRAÇA E À TOA E FORMIGARAM PARA ENCHER SUAS PIPAS E DE GRAÇA E VENDER NAS CIDADES A PREÇOS EXORBITANTES. ONDE 1000 LITROS D'ÁGUA CUSTAM DE 30 A 35 REAIS.
FOI UM ERRO TAMANHO! E AGORA PADECEMOS COM A IMENSA FALTA D'ÁGUA QUE NÃO CHEGA NOS BAIRROS MAIS ALTO DA CIDADE DE CAICÓ. 
EXEMPLO DE ADUTORA DE ENGATE RÁPIDO.
O CORRETO SERIA QUE SE TIVESSEM DESLOCADO VERBAS PARA FAZER ADUTORAS DE ENGATE RÁPIDO ONDE NÃO SE DESPERDIÇARIA GOTAS D'ÁGUA EM VÃO E LEVARIA A ÁGUA PARA OS LUGARES MAIS CRÍTICO DA CIDADE. É PRECISO QUE SE FAÇA ALGUMA COISA OU O CAOS FORMARÁ UMA BOLA DE NEVE IRREVERSÍVEL. 
E TENHO DITO!!! 

CAICÓ: CADÊ O ABASTECIMENTO POR CARROS-PIPAS?

É UMA VERGONHA PARA A CIDADE DE CAICÓ QUE ESTÁ VIVENDO O VERDADEIRO CAOS PELA FALTA D'ÁGUA GENERALIZADA. PARA SE TER UMA IDEIA JÁ VAI FAZER 20 DIAS QUE NÃO APARECE ÁGUA NOS BAIRROS DA ZONA NORTE DE CAICÓ, OS MAIS ALTOS. (FOTOS DA NET PARA ILUSTRAR).
NEM OS CARROS PIPAS ESTÃO PASSANDO POR AQUI! O POVO ESTÁ COM AS MÃOS NA CABEÇA PEDINDO POR CLEMÊNCIA. QUEM AINDA PODE COMPRAR ÁGUA COMPRA COM TODA A DIFICULDADE E QUEM NÃO PODE FICA NA MENDICÂNCIA DESESPERADA. O POVO ESTÁ PASSANDO SEDE E CLAMANDO QUE SE FAÇA ALGO IMEDIATAMENTE OU EM PRÓXIMOS TEMPOS HAVERÁ ONDAS E MAIS ONDAS DE PROTESTOS DENTRO DA CIDADE.
NÃO SE CONCEBE MAIS O COMODISMO QUE ESTÁ SE INSTALANDO POR BOA PARTE DE CAICÓ E DO NORDESTE. CADÊ AQUELES POLÍTICOS QUE AGORA CITO OS NOMES QUE NÃO CUTUCAM DIARIAMENTE AS AUTORIDADES FEDERAIS? POLÍTICOS COMO: JOSÉ AGRIPINO, FÁTIMA BEZERRA, FÁBIO FARIAS, FELIPE MAIA, ENTRE OUTROS QUE DURANTE A CAMPANHA POLÍTICA PASSADA SÓ VEM AQUI NO SERIDÓ BUSCAR VOTOS E DEPOIS NÃO LUTAM PELAS NECESSIDADES DO POVO SERIDOENSE. É UMA VERGONHA!!!!
OS CARROS-PIPAS DESAPARECERAM DO MAPA E O PREFEITO ROBERTO GERMANO NÃO DÁ UMA EXPLICAÇÃO CONDIZENTE. ELE NEM SE QUER VEM AOS BAIRROS FAZER PALESTRAS DE COMO ECONOMIZAR ÁGUA. O POVO DEVE SER ENSINADO E REEDUCADO, POIS NINGUÉM ESTAVA ACOSTUMADO COM O CAOS DA FALTA D'ÁGUA NESTA CIDADE NOS ÚLTIMOS ANOS. A PIPA D'ÁGUA NÃO APARECE NO ALTO DA BOA VISTA E NEM NOS LUGARES ALTOS DA CIDADE. E O BATALHÃO CAICOENSE NÃO SE LIMITA A DAR SUA AJUDA PARA QUE POSSAMOS VER SE ESTÃO REALMENTE EMPENHADOS COM A CAUSA PÚBLICA. 
TAMBÉM É PRECISO QUE OLHEMOS TODOS JUNTOS PARA UMA SOLUÇÃO RÁPIDA E QUE NÃO FIQUEMOS SÓ JOGANDO A CULPA EM A OU B. TODOS OS POLÍTICO TEM CULPA SIM! SE JÁ TIVESSEM FEITO A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO E A BARRAGEM DA OITICICA NÓS NÃO ESTARÍAMOS NESSE CAOS NÃO!!!
TAMBÉM É PRECISO QUE SAIBAMOS ECONOMIZAR AO EXTREMO AS ÁGUA QUE COMPRAMOS OU QUE VEM PARA AS NOSSAS CASAS. 
E AINDA, O POVO SEM ÁGUA PODE FAZER DOIDIÇA COMO COMPRAR ÁGUA DE PROCEDÊNCIA DUVIDOSA E SE LASCAR POR ISSO.
ASSIM SOCOOOOOORRRRRROOOOOO!!! AUTORIDADES! NÃO DEIXEM CAICÓ NO CAOS!!!???

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

PEÇA TEATRAL DE EDNALDO LUÍZ SERÁ APRESENTADA EM SERRA NEGRA DO NORTE

MAIS UMA VEZ A PEÇA TEATRAL QUE EDNALDO LUÍZ ESCREVEU PARA RECONTAR A HISTÓRIA DA CIDADE DE SERRA NEGRA DO NORTE SERÁ ENCENADA MAIS UMA VEZ COM ALUNOS DA ESCOLA HERMES FURTUNATO DOS SANTOS, LOCALIZADA NO BAIRRO DA LIBERDADE (SERRANEGRINHA), ZONA SUL DA CIDADE.
A PEÇA TEATRAL CONTA DE FORMA HUMORIZADA A HISTÓRIA DA CIDADE DESDE O TEMPO DE MANOEL PEREIRA MONTEIRO COM SEUS ESCRAVOS E A NEGRA QUE DEU NOME A SERRA. ELA FOI ENCENADA PELA PRIMEIRA VEZ NA ESCOLA HERMES COM A PROFESSORA RÚBIA BATISTA SALES E AGORA JÁ SERÃO DUAS VEZES QUE ELA SERÁ EXPOSTA EM PLENA PRAÇA PÚBLICA PELA PROFESSORA MARLENE CAVALCANTE.
A APRESENTAÇÃO SERÁ EM PROL DO EVENTO CÍVICO DO DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA NA CIDADE QUE SERÁ APRESENTADA DIA 20 DE NOVEMBRO. AINDA NA OCASIÃO O PRESTIMOSO EDNALDO LUÍZ QUE TAMBÉM É POETA CEDEU DUAS POESIAS QUE SERÃO TAMBÉM LIDAS POR ALUNOS DA REFERIDA ESCOLA. FICOU MUITO FELIZ O POETA DO SERIDÓ, PRIMEIRO PELA VEREADORA ANA KARINNE, AUTORA DO EVENTO, E POR PODER COMPARTILHAR COM A HISTÓRIA DE SERRA NEGRA COM SEUS SABERES CULTURAIS. PARABÉNS A EDNALDO LUÍZ!!!   

EVENTO CÍVICO EM PROL DA CONSCIÊNCIA NEGRA EM SERRA NEGRA DO NORTE

TAL EVENTO FOI EVOCADO E SOLICITADO PELA VEREADORA ANA KARINNE DA CIDADE DE SERRA NEGRA DO NORTE/RN

foto do seu facebook.

Ana Karinne Araújo da Nóbrega Cunha, vereadora da cidade acima citada, filha do casal Dilvan Monteiro da Nóbrega, ex-prefeito de Serra Negra do Norte e da Pedagoga Francisca Macêdo. Casada com o médico veterinário João Etelvino da Cunha Junior, mais conhecido por Dr Joãozinho, teve a brilhante ideia de pedir em plena Sessão Ordinária na Câmara Municipal de Vereadores que a gestão do Prefeito Alisson fizesse o Evento Cívico do "Dia da Consciência Negra" da Cidade de Serra Negra do Norte. O que foi acatado! Veja o que ela postou no seu facebook:

Foto de Ana em evento do Idoso de SNN.

"Na Sessão Ordinária de hoje apresentei Indicação 63/2015 para realizar em praça pública em parceria com as escolas e secretarias municipais ações sociais e culturais para comemoramos o Dia da Consciência Negra próximo dia 20 de novembro, por entender que é de suma importância valorizar e resgatar a cultura afrodescendente tão marcante em nossa cidade, como a origem do nome da nossa Serra Negra, como o grupo Negros do Rosário , grupo de capoeira, entre outros".  

sábado, 7 de novembro de 2015

ALUNO DE 8 ANOS DE IDADE AVALIA O TRABALHO DE EDNALDO LUÍZ NO 2º ANO

APOLOGIAS AO POETA DO SERIDÓ


Por: Kleyton Rodrigo de Araújo Alves Medeiros.


“Querido professor, voser é um ótimo professor. No primeiro dia de alla voser nos tratol muito bem. Voser minsinol coisas que eu não sabia. Agora eu sei. Sei iscrever ligeiro. Quando veis que eu escrevo mais eu aprendo mais i intendo mias unha coisa, eu não posso negar que até eu morrer nunca vol esqueser os aprendizado que voser minsinol que vai ficar no meu coração”.

ALUNA DE 8 ANOS DE IDADE AGRADECE A EDNALDO LUÍZ POR TER LHE ENSINADO A LER NO 2º ANO DE 2015:

Por: Evelyn Emanuelle Arruda dos Santos.

 “Querido Professor Ednaldo Luíz eu aprendi a ler. Sua Educação é bonita”.
EVELYN é uma das alunas do 2º Ano que eu tenho mais alegria por ter feito a mesma ler a grande gama de complexidade que tem das palavras e frases e texto. A mãe dela também está muito feliz.... È por isso que é bom ser professor...


DESENHO DE EDNALDO LUÍZ - O PAU DE ARARA

O PAU DE ARAR ERA UM DOS TRANSPORTES MAIS USUAIS QUE SE VIA AQUI NOS SERTÕES DE OUTRORA. É BEM VERDADE QUE AINDA SE VER, MAS COM POUCA INTENSIDADE DEVIDO AS AÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL BRASILEIRA.
O PAU DE ARA PODIA SER QUALQUER VEÍCULO DE CARROCERIA QUE FOSSE COBERTO E TIVESSE UNS BANCOS DE MADEIRA PARA A CABOCADA SENTAR.
OS SOLAVANCOS OU, COMO SE DIZ NOS SERTÕES, OS CATABILOS ERAM GRANDE E FALTAVA VIRAR QUANDO PASSAVA EM UM TERRENO ACIDENTADO...
POR ISSO EDNALDO LUÍZ EM SUA QUALIDADE DE ARTISTA DO DESENHO FEZ A OBRA "PAU DE ARARA" VEJA: