sexta-feira, 11 de novembro de 2016

ALUNOS DE EDNALDO LUÍZ NO DIA DAS CRIANÇAS

VEJA AS FOTOS DOS ALUNOS DE EDNALDO LUÍZ CURTINDO A FESTINHA QUE OCORREU NO DIA DA CRIANÇA DA ESCOLA MUNICIPAL SEVERINA BRITO DA SILVA:






CADÊ O SHOPPING DE CAICÓ?

ATÉ AGORA AINDA É BOATOS SOBRE A FEITURA DO SHOPPING NA CIDADE DE CAICÓ. TOMARA QUE SE FAÇA REALIDADE E CAICÓ TENHA ESSE ATRATIVO PARA AS PESSOAS, PRINCIPALMENTE PELA IMPLANTAÇÃO DE UM CINEMA, COISA QUE A CIDADE ESTÁ MUITO PRECISANDO! VEJA AS FOTOS DE EDNALDO LUÍZ, TIRADAS DE UM CARTAZ:




INFLUÊNCIA POÉTICA DE EDNALDO LUÍZ EM SERRA NEGRA

VEJA EMBAIXO UMA OBRA POÉTICA DE UMA ALUNO DE EDNALDO LUÍZ:

POEMA: A VIDA DO VAQUEIRO
POETA: LEONARDO DANTAS.

Antes de amanhecer
O vaqueiro
Se levantando
E o trabalho
Cumprindo.

Pegando o cavalo
O gado leva ao roçado
E as doze horas
Voltando pra casa
Para almoçar.
O almoço, com os alimentos:
Arroz, macarrão,
Rapadura, feijão,
Ao lado, acompanhado
De um copo d’água.

Depois voltando para o trabalho
E o gado recolher
No curral coloca
E os bezerros chiqueiram.

Vai ao roçado
E na Caatinga entrando
Para salvar a vaca
Que acabou de nascer
Um pequeno bezerro.

Voltando pra casa
E janta, e janta,
Dorme e de manhãzinha

Faz tudo de novo.

A PRINCESA QUE TOCAVA VIOLÃO

POESIA: A PRINCESA QUE TOCAVA VIOLÃO
POETA: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.

Quão belas, sóis, oh, princesa,
Com seu violão plangente
Que tocando, oh doce tesa,
Conquista o coração da gente.

Um sorriso e um violão
Tocando seu belo acorde
Conquistando o coração
Veja só, como é que pode!

Tão divina e sensual
Faz as notas DÓ – RÉ – MI
Tocadora oficial
Dedilhou FA – SÓ – LÁ – SI.

Tão bonita e bem corada
Com seus dedos na viola
Só precisa ser amada
Pra não ter vida de esmola.

É tão doce a tal princesa
Dedilhando o posto dedo
Deixa a nossa chama acesa
Pela luz do seu enredo.

É por isso bela artista
Toque enfim a melodia
E deixe o tom da Bela Vista
Ser descrito em poesia.


Feito dia: 10/ 08/ 2016.

INFLUÊNCIA POÉTICA DE EDNALDO LUÍZ EM SERRA NEGRA

VEJA ABAIXO UMA OBRA DE UMA ALUNA DE EDNALDO LUÍZ

POEMA: MINHA CIDADE
AUTORA: Maria Eduarda da Silva Souza.

Foi Serra Negra
A terra que nasci
Foi a terra mais rara
Que eu conheci.
No Rio grande do Norte
Que eu vi
Que a cidade é forte
Que eu nem percebi.

Eu quero falar
Não maltrate Serra Negra
Porque aqui é o meu lugar
E da nossa padroeira.

Da minha casa vejo uma paisagem
Que eu admirei
Que o Brasil é tão selvagem
Como eu não acreditei.

Estudo com Ednaldo
O Poeta do Seridó
O Poeta do Estado

O Poeta de Caicó.

INFLUÊNCIA POÉTICA DE EDNALDO LUÍZ EM SERRA NEGRA

VEJA ABAIXO UMA OBRA POÉTICA DE UM ALUNO DE EDNALDO LUÍZ:

POEMA: O MEU PROFESSOR
AUTOR: EZEQUIEL CAIQUE.

Eu vou falar nesse texto
Sobre o professor
Um cabra bom da peste
Que foi quem me ensinou
É Ednaldo Luíz
Um cabra sonhador.

É formado em História
E poeta pra caramba
Faz poesias lindas
Pro homem pular da cama
O que ele fez por mim
Ninguém mais faria
Faz eu morrer de rir
Com muita alegria.

Vou parar por aqui
Pois não tenho o que dizer
Um professor bom desse
Tenho muito que aprender. 

MENINA DA PORTA

POESIA: MENINA DA PORTA
POETA: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS.

Menina da porta
De pé no portar
Eu quero te amar
É só o que importa.

Na porta tão bela
Olhando o relento
Na terra do vento
Que tanto lhe mela.

De perna angulada
Na porta se expõe
Tomando seu “bãe”
De terra salgada.

Mantém a postura
De alvo esboço
Mostrando pro moço
Tanta formosura.

Na porta espichada
Se acha aberta
Se ninguém te flerta
É tão desamada.

Espera a bichinha
O sono chegar
Para se deitar
Nos panos de linha.

Cansada da lida
Teclando o seu vício
É um artifício
Pra vida sentida.

Mas triste a menina
Vivendo a mesmice
Cheia de tolice
Na vida granfina.


Feito dia: 06/ 09/ 2016.

APRESENTAÇÕES DE EDNALDO LUÍZ NA CASA DE CULTURA DE SERRA NEGRA

EVENTO DO FOLCLORE NORDESTINO

Apresentador: Ednaldo Luíz dos santos.

1º ATO:
(Boas vindas e abertura do evento em poesia)

O povo em sua vivência
Produz assim a cultura
O FOLK quer dizer povo
E LORE cultura pura
É produção popular
Que vivemos sem se ligar
Com tanto texto e textura.

E aqui nesse lugar
O folclore será fato
Vamos ver cultura fina
E mostrar nosso aparato
De um turno vespertino
O Folclore Nordestino
Tem na Hermes Furtunato.

Vamos ver a nossa música
De contexto regional
Um sarau de poesia
É folclore nacional
Vamos mostrar o enredo
Da cultura, do brinquedo,
Pelo bem tradicional.

2º ATO:
(recital do cordel e obra do aluno Leonardo e talvez o Matias)

Cordel: Eu Me Enganei Com Minha Esposa, de Amazan;

Obra de Leonardo sobre a Caatinga;

Talvez obra do ex-aluno Matias;

3º ATO:
(cantar forró pé – de – serra e levar o zabumba)

Música 1: Sou Um Caboco Sonhador (xote);

Música 2: Jardim do Amor (baião);

Música 3: Esquenta Moreninha (arrasta – pé);


4º ATO:
(definição do que seja Lenda em ritmo de verso)

A Lenda é muito simplória
É mentira ou verdade?
A Lenda conta uma história
Do povo ou duma cidade
Os fatos que apresenta
O povo conta e aumenta
Pela informalidade.

Do negro, do branco e do índio
A Lenda é variedade
Cuca, saci e Curupira
Lobisomem faz maldade
Toda Lenda não se encerra
E a Lenda da Negra da Serra
Bem define esta cidade.

5º ATO:
(aluna Sílvia apresenta a Lenda da Negra ao som do hino da cidade)

6º ATO:
(folclore das festas, artistas e danças em versos)

E nesta cultura folclórica
Tem artista de primeira
Luíz Gonzaga e Patativa
Tem festa de padroeira
E dança tem de montão
Tudo se ver no sertão
Dessa terra brasileira.

7º ATO:
 (abrir as apresentações dos grupos dos “Brinquedos folclóricos” com verso)

E também neste folclore
Os brinquedos nos diverte
Bibolquê e os pés – de – quenga
Rolo de Tubo é manchete
Tem as Notas de Cigarro
Boneca de pano e o carro
Da Infância do Nordeste.

Aí os alunos apresentam os trabalhos de acordo com a sequencia:

G 1 = B. Breque (Ezequiel);
G 2 = B. Notas de Cigarros (Heitor);
G 3 = B. Rolo de Tubo (Leonardo);
G 4 = B. Bambolê (Maria Aparecida);
G 5 = B. Pés – de – Quenga (Maria do Carmo);
G 6 = B. Fichas de Garrafas de Vidro (Maria Eduarda Silva);
G 7 = B. Ossos de Boi (Maria Eduarda Wanderley);
G 8 = B. Bibolquê (Sabrina);
G 9 = B. Bonecas de pano (Sílvia);

8º ATO:
(Poesia final do evento de valorização, incentivo e agradecimentos)

E assim eu agradeço
Com toda satisfação
A este povo tão bonito
Pela valorização
E assim de coração
Trouxe um pouco de talento
É cultura do momento
Que eu faço com amor
Sou poeta, professor,
Vivo de simplicidade
Fiz a minha faculdade
Pedalando a bicicleta
Se me chamam de poeta
É porque tenho meu dom
Eu curto forró do bom
E não almejo riqueza
Eu nasci foi na pobreza
E nela fez-se o meu lar
Sou poeta popular
E dei conta do recado
Nesta Casa de Cultura
Que Serra Negra tão pura
Ouviu meu verso rimado
Se falei rima e contei causos
Peço uma salva de aplausos
Pro poeta Ednaldo.


FIM!

INFLUÊNCIA DO POETA EDNALDO LUÍZ SOBRE SEUS PUPILOS

VEJA UMA POESIA PRODUZIDA POR UMA ALUNA DE EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS:

POEMA: MEU PROFESSOR
AUTORA: MARIA DO CARMO.

Tem valor
E só tem amor
Deus mandou pra mim
Um raio de Luíz.

É o professor mais melhor do mundo
Que eu conheci
Deus mandou um anjo da guarda

Entrego você nas mãos de Deus.

UM BAITOLA DE SAIA.

POESIA: UM BAITOLA DE SAIA.
POETA: EDNALDO LUÍZ DOS SANTOS

Passei numa padaria
Num carro feito a molesta
E vi uma coisa bizarra
Para a cultura modesta
Fitando sem preconceito
Humor da cena de festa.

Estava ali bem sentado
Um caboco feminino
Com uma saia apretadinha
Com um falatório fino
Sentado numa calçada
Se amostrando pros menino.

Tava usando uma calcinha
Com um tom amarelado
Tava com as pernas abertas
Num pacote avolumado
A mulher achando graça
Só lhe chamando de viado.

A calcinha tava à mostra
E o baitola nem ligava
Todo mundo ali passando
E o pacote se amostrava
Era um tom tão amarelo
Cujo o povo só olhava.

Um totó na cabecinha
E uma cara de buraco
Simples baitola de saia
Desejando ter taba...!
Mas isso era impossível
Com a presença de saco.


Feito dia: 19/ 10/ 2016.

EDNALDO LUÍZ MOSTRA TALENTO EM SARAU FOLCLÓRICO

O ENTÃO PROFESSOR, POETA, HISTORIADOR E PEDAGOGO, EDNALDO LUÍZ, no auge de seu talento próprio foi convidado pela grande professora Daise Cândido da Cidade de Serra Negra do Norte e colega de trabalho para abrilhantar com seu dom poético e cultural um “Sarau Folclórico” em detrimento da Semana do Folclore Brasileiro ocorrido em Agosto deste ano. Ednaldo não pestanejou e aceitou de cara o convite.





Era a Semana do Folclore da Escola Municipal Hermes Furtunato dos Santos, do Bairro da Serranegrinha, zona sul da Cidade de Serra Negra do Norte. A supervisora Marlene colaborou com a idéia e usou-se a Casa de Cultura Oswaldo Lamartine para o evento. O evento funcionou tipo um caldeirão cheio de elementos folclóricos como o poeta, o sanfoneiro, o trianguista, o zabumbeiro, cordel, forró pé – de –serra e vários outros elementos que compôs o cenário tipicamente nordestino. Teve também apresentações de alunos com poesias e seminários de brinquedos folclóricos.
Ednaldo Luíz expôs poesia do começo ao fim do evento e ainda tocou zabumba e cantou junto ao trio de forró que também abrilhantou o evento. O Trio de Forró foi trago pela professora Oni e era assim composto: sanfoneiro chamado Ediceu, zabumbeiro João e trianguista Antônio. O evento durou a tarde todinha e Ednaldo Luíz depois foi ovacionado e aplaudido de pé ao fim do espetáculo.
EDNALDO LUÍZ E O TRIO DE FORRÓ



ALUNA DE DAYSE
A turma de Ednaldo do 5º Ano ficou com o tema “Brinquedos Folclóricos” e depois das apresentações de seus alunos todos os presentes puderam conhecer alguns brinquedos de antigamente que muitas crianças brincam até hoje.





Para encerrar o evento o grande Poeta Ednaldo Luíz deu um show de sabedoria e conhecimento, misturado com simplicidade. Fez ele uma poesia de despedida na qual enfocava sua trajetória de conquista, seu jeito simples de viver e sua sede de ser poeta nato e retratar a cultura nordestina. Quando ele terminou de ler tal obra, recebeu de pé uma enxurrada de aplausos que durou cerca de um minuto. Foi aí que ele recebeu da supervisora da escola um certificado do ‘Sarau Folclórico”.
Ednaldo Luíz ficou também muito feliz porque viu que conseguiu despertar o dom da arte poética em alguns alunos. Isso foi muito gratificante. Ah, o tal poeta espera que se tenham mais eventos como este para que ele possa colocar para o público sua arte poética.